Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

Aumento da presença militar: então, quem está se preparando para atacar?

Os EUA e seus aliados europeus da OTAN usam a alegada invasão russa para justificar e, principalmente, permitir a si próprios atingir seu alvo-chave: posicionar suas forças perto das fronteiras russas.


Sputnik

No âmbito da situação atual quanto às relações russo-americanas, o representante oficial do Ministério da Defesa da Rússia, major-general Igor Konashenkov, explica por que a mídia ocidental (dos EUA e da Europa) manifestou histeria tremenda quanto aos exercícios táticos russo-bielorrussos Zapad 2017.


Veículo blindado da OTAN no Báltico
Blindado da OTAN no Báltico © AFP 2017/ Anders Wiklund

Anteriormente, o Ministério da Defesa russo comunicou que militares norte-americanos instalaram toda uma divisão na fronteira da Rússia com os países bálticos. Segundo o ministério, na Polônia desembarcou a 2ª brigada armada dos EUA com veículos blindados e, acima de tudo, nos países bálticos foi deixado todo equipamento militar da 3ª brigada norte-americana.

Segundo o major-general russo, o Ocidente acusou a Rússia de realizar manobras para invadir a Polônia, mas as acusações teriam sido usadas para abafar o desembarque da 2ª brigada armada com veículos blindados dos EUA.

"Toda a histeria dos povos bálticos e dos poloneses sobre a ‘ameaça russa' em meio aos exercícios russo-bielorrussos Zapad-2017 não passa de cobertura informacional fraudulenta da operação do Pentágono. Então, quem está se preparando para atacar?", declarou.

Ao mesmo tempo, o aumento da presença militar dos EUA perto das fronteiras russas impulsiona a concentração das Forças Armadas da Rússia para fortalecimento de suas capacidades de defesa na mesma região, opina o vice-presidente do Comitê de Defesa da Duma de Estado, Yuri Shvytkin.

"Sem dúvidas, a escalada de tensões impulsiona o aumento da presença de nossas Forças Armadas nessa direção para cumprimento de questões de defesa do nosso país", sublinhou o deputado.

Entretanto, ele acrescentou que tal comportamento dos EUA é um beco sem saída para os países bálticos.

Em sua opinião, é preciso "realizar tais manobras nas proximidades das fronteiras com o Ocidente [Europa] para que o Ocidente entenda e se dê conta de que nós, como dizem, não estamos cochilando e não engolimos tudo o que eles nos dão, mas sim tomamos medidas de resposta".


Postar um comentário