Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin passa para Trump a responsabilidade de resolver conflito na Síria

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, passou a bola para que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, seja o responsável por resolver o conflito na Síria.
EFE

Helsinque - Em entrevista coletiva conjunta realizada nesta segunda-feira, em Helsinque, após a primeira cúpula entre os dois líderes, Putin também deu para Trump uma bola oficial da Copa do Mundo.

"No que se refere ao fato de a bola da Síria estar no nosso telhado, senhor presidente, o senhor acaba de dizer que organizamos com sucesso o Mundial de Futebol. Portanto, quero agora entregar esta bola. Agora, a bola está do seu lado", disse Putin.

O presidente russo fazia uma referência a uma frase do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que havia afirmado que a bola para resolver o conflito na Síria estava no telhado do Kremlin.

Trump agradeceu pelo presente e disse estar confiante de que EUA, México e Canadá organizarão em 2026 uma Copa do Mundo tão bem-sucedida como a da Rússia.

Na sequência, o presidente americ…

Damasco exige 'imediata' retirada do exército turco da Síria

Poucos dias depois das tropas turcas e seus veículos armados entrarem na província síria de Idlib, seguindo o anúncio da segunda operação militar da Turquia no país vizinho, Damasco teria protestado fortemente contra a ação.


Sputnik

De acordo com a agência de notícias síria SANA, citando uma fonte no Ministério de Relações Exteriores da Síria, Damasco exigiu a retirada "imediata e incondicional" das tropas turcas do país.


A cidade síria de Idlib
Cidade de Idlib, Síria © REUTERS/ Ammar Abdullah

Uma fonte oficial no ministério disse à SANA que a Síria condena a incursão das unidades do exército turco na província de Idlib, chamando-a de "flagrante agressão contra a soberania e integridade territorial da Síria e uma flagrante violação do direito e das normas internacionais".

A operação turca que a fonte de Damasco descreveu como uma "agressão" não tem nada a ver com os acordos alcançados durante a última rodada das negociações de paz sírias em Astana, negociados pela Rússia, Irã e Turquia, informou a SANA.

A condenação de Damasco pela operação turca em Idlib ocorreu vários dias depois de soldados turcos, incluindo forças especiais, e 30 veículos blindados entrarem em Idlib, na noite de quinta-feira.

De acordo com o Estado-Maior turco, as forças armadas turcas que operam na zona desmilitarizada de Idlib observarão o cessar-fogo, assegurarão entregas de ajuda humanitária e criarão condições para que a população volte para suas casas.

A atuação turca começou no dia 12 de outubro, dentro do quadro dos acordos alcançados em Astana.

A segunda operação militar turca na Síria foi anunciada pelo presidente Recep Tayyip Erdogan em 7 de outubro.

Atualmente, Idlib é controlada principalmente pelo Tahrir al-Sham, um grupo militante liderado pelos terroristas da Frente Al-Nusra, ex-afiliada síria da Al-Qaeda. O grupo não é parte do acordo sobre a criação de uma zona desmilitarizada na província, acordada durante as conversas de paz sírias em Astana negociadas pela Rússia, Irã e Turquia.

A operação Idlib é a segunda operação militar turca no solo sírio. De agosto de 2016 a março de 2017, a campanha do Eufrates Shield do Exército turco, conduzida também com os combatentes rebeldes da FSA, foi conduzida com o objetivo de limpar a cidade fronteiriça síria de Jarablus e a área circundante do grupo terrorista Daesh.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas