Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Turquia adverte exército sírio contra entrada em Manbij

O comunicado foi divulgado poucos dias depois de pelo menos quatro soldados americanos terem sido mortos em um atentado suicida na cidade de Manbij, no norte da Síria, cuja responsabilidade foi assumida pelo Daesh (grupo terrorista proibido em Rússia e em vários outros países).
Sputnik

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores turco, Hami Aksoy, alertou as Forças Armadas do governo sírio para que não tentassem entrar na cidade de Manbij, localizada no norte da Síria.


"Às Unidades de Proteção Popular curdas na Síria (YPG) não deveria ser permitido deixar que as forças do regime [do presidente sírio Bashar Assad] entrem em Manbij", disse Aksoy em uma entrevista coletiva na sexta-feira (18). Ele também destacou que "a retirada das tropas norte-americanas da Síria não deveria ajudar os terroristas das YPG e do Partido de União Democrática curdo (PYD)".

As declarações foram feitas depois que nesta quarta-feira (16) na cidade síria de Manbij ocorreu uma explosão em u…

Especialista comenta declaração dos EUA sobre armas químicas: verdade está saindo à luz

O Departamento de Estado dos EUA reconheceu pela primeira vez que os terroristas na Síria usam armas químicas.


Sputnik

De acordo com o representante oficial do Ministério da Defesa da Rússia, Igor Konashenkov, o Departamento de Estado dos EUA reconheceu que um grupo ligado aos terroristas da Frente al-Nusra (organização proibida na Rússia) usa armas químicas na província síria de Idlib. Konashenkov sublinhou que se trata precisamente da zona sobre a qual o ministério russo já advertira várias vezes.


Armas químicas
Armas químicas © Sputnik/ Ilia Pitalev

Quando em abril passado ocorreu um ataque químico na cidade síria de Khan Shaykhun, os EUA acusaram as tropas governamentais sírias. Os verdadeiros autores do ataque, conforme o Departamento de Estado chegou agora à conclusão, a Frente al-Nusra, na época foi chamada de "oposição moderada".

No que diz respeito às acusações à Rússia sobre supostos bombardeiros contra civis em Idlib, Konashenkov sublinhou que a aviação russa nunca efetua ataques contra zonas urbanas, ao contrário dos EUA.

Vyacheslav Matuzov, especialista russo em assuntos do Oriente Médio, comentou ao serviço russo da Rádio Sputnik a declaração do Departamento de Estado dos EUA. Para ele, este reconhecimento por parte dos EUA é apenas uma constatação atrasada.

"A existência de substâncias tóxicas nas mãos dos terroristas hoje é uma ameaça mais séria do que os atentados localizados: explosões, incêndios etc. Neste caso, o Departamento de Estado apenas registrou o que realmente acontece", considera Matuzov.

Ele lembrou que, anteriormente, os EUA se recusaram categoricamente a reconhecer que os terroristas na Síria usassem armas químicas. Segundo ele, foi isso que afetou a posição da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) na investigação do incidente em Khan Shaykhun em abril deste ano.

"Em geral, se levarmos em consideração a atividade da OPAQ na Síria, ficamos com a impressão de que se trata da organização americana e não internacional", frisou.

Matuzov destacou que durante a investigação do caso de Khan Shaykhun, os funcionários da OPAQ nem visitaram o local da tragédia e usaram dados apresentados pelos grupos terroristas. Agora, a verdade começa a aparecer, resumiu o analista russo.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas