Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Grã-Bretanha perderá a sua capacidade de defesa se vender frota para a América do Sul, alertam os deputados

Os Tories estão planejando cortar ainda mais a Royal Navy, vendendo parte da sua frota para a América do Sul, com alguns deputados e ministros afirmando que os cortes irão dar um enorme golpe à capacidade da Grã-Bretanha de se defender.


Poder Naval

Funcionários notificaram secretamente as Marinhas no Chile e do Brasil que até cinco fragatas e os dois únicos navios de assalto anfíbios da Marinha Real serão desativados. O Ministério da Defesa (MoD) tenta preencher uma lacuna no orçamentos de até £30 bilhões (US$ 39,7 bilhões) na próxima década.

HMS Kent, fragata Type 23 do Reino Unido

De acordo com a publicação especializada em defesa, Jane’s Navy International, os dois navios de assalto anfíbio da Marinha, HMS Albion e HMS Bulwark, podem ser vendidos para os países sul-americanos, apesar de o partido conservador governante se comprometer a garantir que a frota de 13 fragatas não será reduzida.

O Major General da reserva Julian Thompson, do Real Marines, disse ao The Telegraph que, se a frota for cortada ainda mais, a Marinha não será capaz de desembarcar equipamentos pesados ​​e blindados em praias.

“Se você perder essa capacidade, não pode recuperá-la rapidamente … estamos cedendo uma capacidade anfíbia que, para mim, é absolutamente vital”.

Na quarta-feira à noite, Menzies Campbell, porta-voz liberal democrata da defesa, também criticou os planos de redução de custos relatados, dizendo: “A ideia de se livrar de mais fragatas é absolutamente sem sentido”, enquanto argumenta que o número de navios já está “pessimamente baixo”.

O secretário de Defesa, Sir Michael Fallon, no entanto, negou qualquer plano para vender os navios.

“Nós não temos nenhuma proposta para se livrar de Albion ou Bulwark – eles não chegaram à minha mesa de qualquer forma – então isso é simplesmente especulação. Os navios de assalto anfíbio da Marinha, HMS Albion e HMS Bulwark, também eram simplesmente especulações”, disse Fallon.

Um porta-voz do Ministério da Defesa disse: “Podemos confirmar categoricamente que não houve compromisso com o Chile ou o Brasil em relação às fragatas Type 23 ou aos dois navios de assalto anfíbio”.

Postar um comentário