Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Radicais sírios estariam recebendo armamento dos EUA através da fronteira com Jordânia

Enquanto o exército sírio parece estar pronto para uma grande ofensiva na província de Daraa, os grupos radicais que operam na região estariam recebendo grandes remessas de material bélico "Made in USA".
Sputnik

Os grupos militantes que atuam no sul da Síria receberam uma grande quantidade de armas e munições fabricadas nos EUA, incluindo mísseis antitanque TOW, informou a agência de notícias FARS.

De acordo com a FARS, o armamento foi entregue através da fronteira com a Jordânia no âmbito de um novo plano dos EUA para assegurar mais apoio a estes grupos na Síria.

A agência informou também que os grupos militantes na província de Daraa começaram a se preparar para impedir a ofensiva do exército sírio.

No início deste mês, o exército sírio intensificou as ações no sudoeste do país, controlado por radicais, perto da fronteira com a Jordânia e as Colinas de Golã, ocupadas por Israel.

O Ministério da Defesa da Rússia acrescentou que as forças do governo sírio, apoiadas por um grande a…

Guerra de grande escala em Donbass se torna inevitável?

A aprovação em primeira leitura do projeto de lei sobre reintegração de Donbass na Ucrânia demonstra a disposição das autoridades ucranianas para levar o conflito no leste do país a "uma guerra real e grande", diz o jornalista russo Dmitry Lekukh em seu artigo para a Sputnik.


Sputnik

O documento define a Rússia como "o país agressor", qualifica os territórios do leste da Ucrânia como "temporariamente ocupados" e dá ao presidente do país o direito de usar a força militar para "libertá-los".


Helicptero ucraniano perto da froneira de Donbass (arquivo)
Helicóptero ucraniano próximo a fronteira de Donbass © AFP 2017/ ANATOLII STEPANOV

O texto não menciona os atuais acordos de Minsk e descarta a responsabilidade por quaisquer violações de direitos humanos no leste do país.

"Dificilmente Kiev poderia 'mandar para longe' Berlim, Moscou e Paris com suas iniciativas de paz de forma mais descarada", diz o colunista, acrescentando que "as autoridades ucranianas se estão preparando para uma guerra real e grande."

Ao contrário de outras manifestações belicistas da Ucrânia — como as frequentes ameaças de "realizar um desfile de vitória em Sevastopol" — desta vez "devemos levá-lo muito a sério, já que Kiev vai desencadear uma guerra sem necessariamente querer ganhá-la", continua o jornalista.

A guerra como salvação

O principal motivo para o desejo de Kiev de se envolver em uma aventura militar é puramente econômico, de acordo com o autor: nos próximos dois anos, a Ucrânia terá que começar a pagar suas dívidas após o golpe de Estado de 2014 — cerca de US$ 17 bilhões (mais de R$ 53 bilhões) — e "os credores não são do tipo com quem você pode negociar facilmente ".

Entre eles, de acordo com Lekukh, está a fundação Franklin Templeton Investments Foundation, bem como muitas outras instituições financeiras de renome mundial.

"O montante exigido já excede as reservas financeiras do país, e não há fontes para arcar com isso: simplesmente não há geradores de renda, como indústria ou trânsito [de gás natural ou mercadorias], capazes de demonstrar a capacidade para efetuar pagamentos ", diz o autor.

A venda de bens ou da terra não serve para muito: os credores estão interessados em dinheiro. E a Ucrânia entende isso perfeitamente, diz o colunista.

A 'saída' sangrenta

A única justificação para escapar a suas obrigações seriam "circunstâncias de força maior" ou, neste caso, uma guerra em larga escala, sublinha Lekukh.

"A Rússia seria o melhor inimigo", mas "a Ucrânia nem sequer vai querer ganhar essa guerra: uma catástrofe prolongada permitirá que a dívida seja renegociada indefinidamente, enquanto uma rápida derrota causará a transição das dívidas [para o vencedor]", escreve o jornalista.

Nem a Rússia, nem a União Europeia querem essa guerra, diz o jornalista. Mas, com medidas semelhantes à lei recentemente aprovada, "os cleptocratas ucranianos e seus empregadores no establishment político dos EUA" certamente tentarão superar esse "problema", sublinha o analista.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas