Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministro israelense ameaça devolver Líbano à 'Idade da Pedra'

Em entrevista ao portal saudita Elaph, o ministro da Inteligência de Israel, Yisrael Katz, avisou que seu país não hesitará em atacar o Líbano para deter a atividade do grupo xiita libanês Hezbollah, e ameaçou devolver o Líbano à "Idade da Pedra", informou o jornal israelense Haaretz.
Sputnik

Além disso, Katz anunciou que Israel atacará instalações militares do Irã no Líbano: "Temos informações de que o Irã está construindo fábricas de mísseis avançados no Líbano e quero enfatizar que traçamos uma linha vermelha e que não deixaremos que o faça custe o que custar", acrescentou.


Lembrando-se da Segunda Guerra do Líbano em 2006, onde Israel lutou contra o Hezbollah, Katz destacou que os eventos de 11 anos atrás serão um "piquenique" em comparação com o que Israel pode fazer agora.

"Lembro-me de como um ministro saudita disse que devolveria o Hezbollah às suas cavernas no sul do Líbano. Devolveremos o Líbano à Idade da Pedra", declarou o ministro israel…

Guerra de grande escala em Donbass se torna inevitável?

A aprovação em primeira leitura do projeto de lei sobre reintegração de Donbass na Ucrânia demonstra a disposição das autoridades ucranianas para levar o conflito no leste do país a "uma guerra real e grande", diz o jornalista russo Dmitry Lekukh em seu artigo para a Sputnik.


Sputnik

O documento define a Rússia como "o país agressor", qualifica os territórios do leste da Ucrânia como "temporariamente ocupados" e dá ao presidente do país o direito de usar a força militar para "libertá-los".


Helicptero ucraniano perto da froneira de Donbass (arquivo)
Helicóptero ucraniano próximo a fronteira de Donbass © AFP 2017/ ANATOLII STEPANOV

O texto não menciona os atuais acordos de Minsk e descarta a responsabilidade por quaisquer violações de direitos humanos no leste do país.

"Dificilmente Kiev poderia 'mandar para longe' Berlim, Moscou e Paris com suas iniciativas de paz de forma mais descarada", diz o colunista, acrescentando que "as autoridades ucranianas se estão preparando para uma guerra real e grande."

Ao contrário de outras manifestações belicistas da Ucrânia — como as frequentes ameaças de "realizar um desfile de vitória em Sevastopol" — desta vez "devemos levá-lo muito a sério, já que Kiev vai desencadear uma guerra sem necessariamente querer ganhá-la", continua o jornalista.

A guerra como salvação

O principal motivo para o desejo de Kiev de se envolver em uma aventura militar é puramente econômico, de acordo com o autor: nos próximos dois anos, a Ucrânia terá que começar a pagar suas dívidas após o golpe de Estado de 2014 — cerca de US$ 17 bilhões (mais de R$ 53 bilhões) — e "os credores não são do tipo com quem você pode negociar facilmente ".

Entre eles, de acordo com Lekukh, está a fundação Franklin Templeton Investments Foundation, bem como muitas outras instituições financeiras de renome mundial.

"O montante exigido já excede as reservas financeiras do país, e não há fontes para arcar com isso: simplesmente não há geradores de renda, como indústria ou trânsito [de gás natural ou mercadorias], capazes de demonstrar a capacidade para efetuar pagamentos ", diz o autor.

A venda de bens ou da terra não serve para muito: os credores estão interessados em dinheiro. E a Ucrânia entende isso perfeitamente, diz o colunista.

A 'saída' sangrenta

A única justificação para escapar a suas obrigações seriam "circunstâncias de força maior" ou, neste caso, uma guerra em larga escala, sublinha Lekukh.

"A Rússia seria o melhor inimigo", mas "a Ucrânia nem sequer vai querer ganhar essa guerra: uma catástrofe prolongada permitirá que a dívida seja renegociada indefinidamente, enquanto uma rápida derrota causará a transição das dívidas [para o vencedor]", escreve o jornalista.

Nem a Rússia, nem a União Europeia querem essa guerra, diz o jornalista. Mas, com medidas semelhantes à lei recentemente aprovada, "os cleptocratas ucranianos e seus empregadores no establishment político dos EUA" certamente tentarão superar esse "problema", sublinha o analista.


Postar um comentário