Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Hungria dá machadada em planos da Ucrânia e OTAN

Budapeste bloqueou a convocação da cúpula Ucrânia-NATO, que devia ser realizada em dezembro. A decisão da Hungria foi anunciada pelo ministro do Exterior, Peter Szijjarto.


Sputnik

"A Hungria não pode apoiar o desejo de integração [na organização] da Ucrânia, por isso, vetou a convocação de uma cúpula OTAN-Ucrânia em dezembro", disse o ministro.


Peter Szijjarto, ministo das Relações Exteriores da Hungria
Ministro do Exterior da Hungria Peter Szijjarto© AP Photo/ Ivan Sekretarev

Ele enfatizou que Budapeste é contra a lei ucraniana da educação que, de acordo com os húngaros, não respeita os direitos das minorias nacionais.

Szijjarto lembrou que, após a aprovação do projeto de lei da educação por parte do parlamento ucraniano, a Hungria prometeu usar todos os instrumentos diplomáticos ao seu alcance para que Kiev retirasse a lei que "suspende gravemente" os direitos das minorias nacionais. Segundo o ministro, a reforma da educação na Ucrânia é uma "facada nas costas".

Além disso, o ministro explicou que o parlamento ucraniano pretende aprovar projetos de lei sobre a língua e cidadania que podem "ameaçar a comunidade húngara da Transcarpátia".

Szijjarto ressaltou que é impossível contornar o veto húngaro por que para a convocação da cúpula OTAN-Ucrânia é necessário o apoio unânime de todos os países integrantes da organização.

O parlamento ucraniano aprovou a nova lei da educação em 5 de setembro, e o presidente Pyotr Poroshenko assinou o decreto em 25 do mesmo mês. O documento estabelece que as minorias nacionais podem aprender nas escolas na sua língua materna apenas até o quinto grau — entre os 11 e 12 anos de idade — e depois continuar a sua educação apenas em ucraniano.

Após a aprovação da lei, Szijjarto declarou que Budapeste exigiria uma revisão do Acordo de Associação entre a Ucrânia e a União Europeia. Também se recusou a se reunir com seu homólogo ucraniano, Pavel Klimkin, que queria discutir os detalhes da reforma educativa. O ministro do Exterior húngaro explicou que a lei deveria ter sido submetida a debate antes de sua aprovação.


Postar um comentário