Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

Kalashnikov vs M4A1: qual é o melhor fuzil do mundo? (VÍDEOS)

Esse experimento mostra de forma clara qual é a arma mais potente e resistente.


Sputnik

Videoblogueiros de um canal do YouTube decidiram testar em condições extremas um modelo de fuzil de assalto de classe Kalashnikov e a carabina M4A1, de fabricação estadunidense.


Fuzil de assalto de classe Kalashnikov
Fuzil de assalto de classe Kalashnikov | CC BY 2.0 / Geoffrey Fairchild

Durante o experimento dispararam com ambas as armas de maneira praticamente ininterrupta, parando só para mudar os carregadores.

Para garantir a segurança e se proteger de queimaduras, usaram máscaras militares. As medidas de precaução não foram em vão, pois após disparar ininterruptamente, ambas as armas começaram a arder nas mãos do atirador.

Então qual é a arma mais vulnerável? O experimento mostra o seguinte: o fuzil Kalashnikov — no vídeo foi usado o modelo WASR 10, fabricado pela empresa romena Cugir na base de tecnologia original da Kalashnikov — precisou de 895 disparos para que a arma deixasse de funcionar, enquanto a carabina M4A1 mostrou problemas para continuar funcionando depois de 569 disparos.





Postar um comentário