Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.
Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposi…

Mídia: há motivos para Rússia, China e Coreia do Norte recearem bombardeiro B-21 dos EUA

Em 27 de outubro de 2015 a Força Aérea dos EUA adjudicou um contrato à Northrop para o desenvolvimento do novo bombardeiro B-21 Raider, cujas características estão envoltas em mistério.


Sputnik

A aeronave se assemelha ao B-2 Spirit, mas há diferenças importantes.


Bombardeiro estratégico B-21 norte-americano
Bombardeiro estratégico norte-americano B-21 Raider © REUTERS/ U.S. Air Force

O B-21 tem os motores mais perto da junção entre a asa e a fuselagem, enquanto os do B-2 estão claramente separados da fuselagem. O Raider pode mascarar a assinatura infravermelha dos quatro motores.

O B-21 é semelhante em dimensões ao B-2 Spirit, o aparelho vai ser utilizado como bombardeiro estratégico pesado destinado a carregar armas nucleares e convencionais. A dimensão semelhante significa que vai carregar a mesma quantidade de carga e deverá ter 2 segmentos de bombas.

Nas missões nucleares a Força Aérea vai dotar o B-21 com o míssil nuclear de cruzeiro de longo alcance LRSO, informa o The National Interest. O aparelho também vai carregar bombas nucleares, em particular a nova B-61-12. A combinação destas armas vai permitir ao B-21 usar seus mísseis de cruzeiro furtivos para abrir caminho através da rede de defesa aérea inimiga antes de lançar as bombas B-61 em alvos primários e secundários.

Nas missões convencionais, o B-21 vai carregar o míssil de cruzeiro JASSM-ER e bombas GBU-31, guiadas por satélite. O B-21 pode utilizar estas armas de maneira semelhante às armas nucleares, disparando os mísseis contra as linhas de defesa do inimigo antes de lançar as JDAMs.

O B-21 pode também ser utilizado como carregador de mísseis, lançando até 16 mísseis JASSIM ER. Para além do mais o bombardeiro vai carregar a maior bomba convencional do arsenal norte-americano, a Massive Ordnance Penetrator Bomb, sendo o único bombardeiro capaz de o fazer.

​O The National Interest indica que o B-21 pode ser muito mais do que um simples bombardeiro devido às tecnologias avançadas utilizadas no seu desenvolvimento. O Raider deverá se tornar o primeiro bombardeiro multifuncional norte-americano, dotado de drones, meios de vigilância, comunicação, reconhecimento e guerra eletrônica.

Planeja-se que o B-21 Raider comece a voar em 2020. A Força Aérea dos EUA deverá construir pelo menos uma centena destes bombardeiros para substituir os B-52H Stratofortress e B-1B Lancer.


Postar um comentário