Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Turquia quer ajudar Iraque a combater curdos em Kirkuk

A Turquia informou nesta segunda-feira que estava pronta para ajudar o governo iraquiano a expulsar os combatentes curdos da cidade de Kirkuk, informou AFP.
Sputnik

Ancara teme que a eventual independência do Curdistão iraquiano pode desencadear movimentos semelhantes entre a população curda na Turquia e saudou a operação das forças iraquianas para expulsar as forças do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) de Kirkuk.


"Estamos prontos para qualquer forma de cooperação com o governo iraquiano de modo a acabar com a presença do PKK no território do Iraque", disse o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu.

O Conselho de Segurança Nacional do Iraque afirmou neste domingo que considerará a presença de militares curdos em Kirkuk como um "declaração de guerra".

Na segunda-feira, as forças iraquianas tomaram amplos territórios nos arredores da cidade, bem como uma base militar, um aeroporto e um campo petrolífero.

Em 2014, as tropas peshmerga curdas …

Mídia ocidental: apoiando Pyongyang, Rússia se defende dos EUA

A Rússia está "dissimuladamente" apoiando a Coreia do Norte, não permitindo o seu isolamento por parte dos EUA, escreve a Gears of Biz.


Sputnik

De acordo com a edição, a Rússia se baseia nos mesmos princípios que na Síria – ela não quer perder os mecanismos de influência na região e permitir a instalação de tropas norte-americanas na sua fronteira oriental. 


Kim Jong-un o líder da Coreia do Norte
Kim Jong-un © Sputnik/ Ilia Pitalev

Durante os últimos tempos a Rússia está prestando apoio econômico à Coreia do Norte para conter quaisquer tentativas dos EUA de depor Kim Jong-un, opina a jornalista da Gear of Biz Victoria Ritter, citada pelo RT.

De acordo com ela, Moscou se preocupa com o fato de Donald Trump estar se comportando de jeito cada vez mais "imprevisível", e "poder provocar uma situação em que os EUA e a Coreia do Norte sejam mergulhados no caos". Ela aponta também que o Kremlin se preocupa com a possibilidade de perder as "alavancas de influência" na região e, em resultado, enfrentar o deslocamento de forças norte-americanas para perto da fronteira oriental russa.

Apesar de que Moscou tem condenado os testes nucleares da Coreia do Norte, ela está "oferecendo dissimuladamente ajuda para defender a Coreia do Norte das tentativas dos EUA de isolar economicamente o país", afirma Victoria Ritter. Ela afirma que, recentemente, uma empresa russa começou a efetuar o tráfego de dados de Internet na Coreia do Norte, ligando desta maneira o país com o mundo externo, enquanto o comércio bilateral quase duplicou no primeiro trimestre do ano 2017.

De acordo com vários analistas, a Rússia está apoiando Pyongyang porque é contra a mudança de regime no país. "Os políticos russos acusaram repetidamente os EUA de incentivarem as revoluções 'de veludo' nos países da antiga URSS e quaisquer declarações dos EUA sobre a derrubada de qualquer líder são condenadas em Moscou", escreve Ritter. Em 2011 o presidente russo Vladimir Putin acusou a secretária de Estado Hillary Clinton de tentar provocar tensões na Rússia e exortou "a deixar Kim Jong-un tranquilo".

De acordo com o analista político russo Andrei Kortunov, o apoio de Kim Jong-un por parte da Rússia tem o mesmo caráter pragmático que o apoio a Bashar Assad. Se os EUA tentarem derrubar Kim Jong-un com uso da força, a Rússia pode enfrentar um fluxo de refugiados e uma crise humanitária perto da sua fronteira. Além disso, de acordo com ele, as armas e tecnologias de Pyongyang podem "cair nas mãos de pessoas ainda mais perigosas".


Postar um comentário