Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

Mudanças afetam todos: quais funções estão desempenhando caças dos EUA na Síria?

Os caças de quinta geração norte-americanos F-22 baixaram voo na Síria há três anos, lançando ataques precisos contra combatentes dos grupos terroristas. No entanto, assim como a crise é alterada com o tempo, as funções das naves de combate dos EUA são alteradas.


Sputnik

No momento atual, eles estão realizando funções de "sensor voador", ou seja, coordenando operações aéreas de outras aeronaves, informa o portal War is Boring.


Caça F-22  da Força Aérea dos EUA
Caça F-22 Raptor da USAF © AFP 2017/ USAF

Segundo ordem da coalizão internacional, liderada pelos EUA, caças F-22 devem escoltar aviões não furtivos em missões de ofensiva em caso de ataques de aviões sírios ou ativação de sistemas de defesa antiaéreo, escreve o autor do artigo publicado no portal, Robert Beckhusen, citando um dos pilotos norte-americanos que se encontra na Síria.

Em particular, os F-22 são usados para detectar e se comunicar com os pilotos russos e sírios que realizam operações perto da zona de interesse da coalizão, afirmou o militar entrevistado.

Assim, em agosto de 2016, os F-22 obrigaram os aviões Su-24 sírios a abandonar a zona onde operavam clandestinamente unidades especiais dos EUA, relatou.

Além disso, usando seus sensores avançados, o F-22 pode servir de "radar voador", fornecendo dados para guiar armas precisas equipadas em aviões de ataque.

O autor destacou que o caça está desempenhando função de franco-atirador, "capaz de disparar, mas usado para vigilância".

O artigo prossegue revelando detalhes, segundo os quais apesar de elas continuarem sendo usadas, agora é quase impossível restabelecer sua produção devido aos altos custos, bem como os planos da Força Aérea dos EUA de se equipar com 1.700 "sucessores" do F-22, com caças F-35A.

No entanto, o avião, com modernizações necessárias, poderá voar até os anos 70 deste século, sendo que a intensidade dos voos das 187 unidades construídas é tão baixa que suas fuselagens quase não sofrem danos estruturais, conforme os relatórios apresentados pelo Comitê da Câmara de Representantes dos EUA, citados pela mídia.


Postar um comentário