Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

Opinião: Durante manobras Zapad 2017 a Rússia demonstrou suas armas mais modernas

Durante as manobras russo-bielorrussas Zapad 2017, realizadas entre 14 e 20 de setembro, a Rússia demonstrou diversas "inovações técnicas". É assim como o analista Nicholas J. Myers descreve os resultados das manobras em um artigo publicado na revista The National Interest.


Sputnik

O autor deu uma avaliação especial aos sistemas de mísseis Iskander e Bal, bem como aos sistemas móveis de mísseis S-400 Triumf. Na lista de "verdadeiras inovações técnicas" The National Interest também menciona o sistema SIGINT (coleta de informações ou inteligência via interceptação de sinais de comunicação de pessoal ou máquinas), em particular, veículos aéreos não tripulados, bem como os sistemas que usam o GLONASS (análogo russo do GPS).


Sistema de mísseis Iskander
Sistema de mísseis Iskander © REUTERS/ SERGEI KARPUKHIN

Os Iskander foram demonstrados no campo de treinamento de Luzhsky, tendo também sido testado o míssil tático Tochka-U.

De acordo com Mayers, nos últimos dois anos, o complexo de mísseis Bal começou a ser instalado nas bases aéreas e navais por toda a Rússia. Os treinamentos deste ano não podiam passar sem ele, sublinha o autor, tendo sido acionado a 19 de setembro.

As manobras realizadas pela Rússia e Bielorrússia provocaram críticas por parte de vários países, embora tenham contado com cerca de 100 observadores (adidos militares) estrangeiros. Em particular, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia, Viktor Muzhenko, afirmou que, depois das manobras, a Rússia deixou uma parte de suas tropas no território da Bielorrússia.

Anteriormente, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia apontou que as declarações da OTAN quanto às manobras Zapad 2017 são infundadas. Além disso, o porta-voz do presidente da Rússia, Dmitry Peskov, desmentiu as acusações de insuficiente transparência dos exercícios, tendo qualificado o “aumento da histeria” em torno deles como "provocação".

O secretário de imprensa da embaixada russa nos EUA, Nikolai Lakhonin, assinalou que os cenários catastróficos que foram espalhados nos países ocidentais devido às manobras não se vieram a verificar, e que estas foram transparentes ao máximo.


Postar um comentário