Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.
Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposi…

Opinião: EUA utilizam B-2 para fazer 'alusão nuclear' à Coreia do Norte

Os bombardeiros "invisíveis" B-2 Spirit que podem efetuar ataques nucleares, realizaram o voo no Pacífico na véspera da visita do presidente dos EUA, Donald Trump, ao Japão e a Coreia do Sul.


Sputnik

"Posso supor que é um aviso para a Coreia do Norte sobre a prontidão e capacidade dos EUA de atacar o país", comunicou o analista da Universidade Nacional da Austrália, Adam Broinowski, à Sputnik Internacional. 


B-2 Stealth Bomber
B-2 Spirit © Foto: Northrop Grumman

Trump visitará o Japão, Coreia do Sul e China, começando com Japão, em 5 de novembro. De acordo com ele, assim Washington pode mostrar a sua lealdade perante os aliados, que podem ter dúvidas em relação ao apoio possível de Washington no caso de conflito com a Coreia do Norte.

"O encontro de Trump com Abe vai apoiar a iniciativa deste em relação à militarização do próprio sistema de segurança do Japão. Ele também mostrará à Coreia do Norte que os EUA pretendem intensificar a sua presença militar no país. É possível que Trump negocie com o Japão e a Coreia do Sul a troca de novas tecnologias dos EUA…sob pretexto da ameaça por parte da Coreia do Norte, para justificar o aumento de gastos militares", afirmou ele.

Adam Broinowski comentou também as palavras do chefe do Pentágono, James Mattis, de que os EUA nunca reconhecerão o estatuto nuclear da Coreia do Norte, acrescentando que a declaração coincidiu com a chegada do bombardeiro B-2.

De acordo com ele, espera-se que a Coreia do Norte se abstenha das armas nucleares em troca de algo, que os EUA podem garantir ao país. Isso, segundo Broinowski deixa a Coreia do Norte sem instrumentos de pressão que o país pretende obter graças à existência de armas nucleares.

O B-2 é o bombardeiro de longo alcance que pode utilizar armas tradicionais e nucleares – as bombas nucleares de queda livre que, supostamente, possam destruir a infraestrutura militar, principalmente os centros de comando e controle subterrâneos.


Postar um comentário