Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Prestes a 'ganhar' território do tamanho da Arábia Saudita, Brasil carece de recursos para defesa

A ONU deve ratificar no próximo mês, o pleito brasileiro em estender sua faixa de águas jurisdicionais em pelo menos 2,1 milhões de km², uma área equivalente à extensão da Arábia Saudita. Para especialista ouvido pela Sputnik Brasil, movimento precisa vir acompanhado de modernização da Marinha.
Sputnik

Como a Sputnik Brasil mostrou em maio, a demanda já dura há pelo menos 30 anos e tem relação com medições técnicas sobre o ponto onde termina o Brasil continental e até onde é lícito explorar as águas do entorno. O mar territorial brasileiro têm atualmente cerca de 12 milhas náuticas (22 quilômetros) na faixa de água e uma zona econômica exclusiva de 200 milhas náuticas (370 quilômetros). Na parte de solo e sub-solo, área na qual o Brasil pleiteia a extensão, há um limite de mais 200 milhas regulamentadas.

Responsável pela proteção da área oceânica, a Marinha brasileira vem desenvolvendo pesquisas na região desde 2004. Os militares já identificaram potencial possibilidade de exploração de …

'Os mais silenciosos do mundo': submarino 'fantasma' russo pôs OTAN em apuros

O submarino russo Krasnodar é capaz de atacar alvos à distância de 2.500 km e possui um revestimento que absorve o eco, permitindo-lhe evitar os sonares.


Sputnik

No fim de maio, o submarino Krasnodar da Marinha da Rússia realizou, a partir da zona oriental do Mediterrâneo, um ataque com mísseis de cruzeiro contra alvos do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia) na cidade síria de Palmira. Em seguida, dirigiu-se para o mar Negro. A OTAN foi advertida sobre sua passagem através do mar Mediterrâneo, mas o submarino foi tão sigiloso, "silencioso como um rato", que detectá-lo foi um verdadeiro desafio.


Submarino russo Krasnodar da classe Varshavyanka
Submarino russo Krasnodar, Classe Varshavyanka © Sputnik/ Igor Russak

Nessa conexão, o colunista Julian Barnes escreveu em um artigo para o The Wall Street Journal que, durante sua passagem, o Krasnodar foi perseguido pelo porta-aviões estadunidense USS George H.W. Bush, bem como monitorado por helicópteros MH-60 Seahawk e aviões de reconhecimento P-8A Poseidon. No entanto, o navio russo conseguiu evitar os dispositivos de rastreamento.

"A Rússia orgulha-se de seus novos submarinos serem os mais silenciosos do mundo", afirma Barnes, que descreve a missão como "bem-sucedida".

O Krasnodar foi desenvolvido para operar nas proximidades da costa. Seu sistema de propulsão está montado sobre amortecedores que suprimem o ruído. Graças às baterias recarregáveis que utiliza, é capaz de mover-se quase em silêncio.

"Estratégia de vendas"

De acordo com o autor do artigo, a OTAN está preocupada não só com a capacidade furtiva do submarino.

Responsáveis dos EUA e analistas militares supõem que os exercícios realizados pelo submarino russo entre o mar Báltico e o mar Negro "eram parte de uma estratégia de vendas", destinada a possíveis compradores, inclusivamente ao Egito, "a quem podiam mostrar os mísseis de cruzeiro", sublinha o artigo.

Finalmente, o jornal indica que os países da Aliança Atlântica não estão suficientemente preparados para enfrentar a frota submarina russa e que o "ressurgimento inesperado do desenvolvimento de submarinos russos voltou a acender a rivalidade da Guerra Fria". Isso torna necessário que a Marinha dos EUA desenvolva tecnologia de guerra antissubmarino, sugere Barnes.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas