Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Adeus a tecnologias 'stealth': novo radar russo pode detectar aviões furtivos

Tecnologias russas capazes de detectar aviões furtivos do inimigo podem vir a fazer parte do sistema da defesa antiaérea unida da OTSC – Organização do Tratado de Segurança Coletiva, declarou o chefe do Estado-Maior Conjunto da aliança, Anatoly Sidorov.
Sputnik

Inovações russas capazes de desativar tecnologias furtivas do inimigo podem vir a ser usadas na criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, declarou militar, citado pelo jornal Rossiyskaya Gazeta. Sidorov comentou que essas inovações seriam eficazes tanto contra aviação do inimigo como contra ataques com mísseis.



O sistema Rezonans-NE funciona graças ao princípio de reflexão ressonante de ondas de rádio da superfície de aparelhos aéreos, facilitando vigilância de aeronaves e mísseis do inimigo, explicou Aleksandr Scherbinko, vice-diretor executivo da empresa de design Rezonans.

"Este modelo pode ser de grande interesse, levando em consideração criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, cuja inauguração est…

OTAN é incapaz de enfrentar Rússia no Leste, diz relatório

Boletim interno põe em questão capacidade das tropas da Aliança Atlântica de responder "de forma rápida e sustentável" a uma eventual investida do Exército russo no Leste Europeu.


DefesaNet | Deutsch Welle

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) seria incapaz de repelir um eventual ataque russo a seus membros no Leste Europeu, questiona um documento interno da aliança ao qual a revista alemã Der Spiegel teve acesso e publica neste sábado (21/10).

Soldados alemães na Lituânia: parte dos esforços para reforçar flanco báltico

O documento põe em xeque a capacidade das forças da OTAN de "reagir rapidamente e, se necessário, de forma sustentável", em caso de uma investigada russa. E aponta como uma das causas uma estrutura de comando reduzida desde a queda do Muro de Berlim, em 1989.

"A habilidade da OTAN de apoiar logisticamente um reforço no fortemente expandido território na área de responsabilidade dos comandos europeus atrofiou desde o fim da Guerra Fria", diz o documento obtido pela revista.

O texto também aponta uma série deficiência logística no flanco leste. A porta-voz da OTAN Ana Lungescu se recusou a comentar diretamente a reportagem da revista alemã, mas disse que as forças da Aliança Atlântica "estão mais prontas e capazes de se mobilizar do que em décadas".

As relações da OTAN com a Rússia se deterioram desde a intervenção russa na Ucrânia. A Polônia e aliados escandinavos e bálticos com frequência reportam se sentirem ameaçados e instaram a aliança a aumentar sua presença no flanco leste ante uma possível agressão. A OTAN aumentou recentemente para 40 mil suas tropas da chamada Força de Resposta, uma unidade especial de reação rápida que pode ser mobilizada por ar, mar e terra a qualquer momento, em qualquer parte do mundo.

Em 2014, após a crise na Crimeia, a OTAN resolveu criar uma força-tarefa de prontidão elevada, consistindo de quatro batalhões e no total 5 mil soldados, para reagir a uma eventual ameaça russa. Na época, ela foi criticada como insuficiente.

Postar um comentário