Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

OTAN é incapaz de enfrentar Rússia no Leste, diz relatório

Boletim interno põe em questão capacidade das tropas da Aliança Atlântica de responder "de forma rápida e sustentável" a uma eventual investida do Exército russo no Leste Europeu.


DefesaNet | Deutsch Welle

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) seria incapaz de repelir um eventual ataque russo a seus membros no Leste Europeu, questiona um documento interno da aliança ao qual a revista alemã Der Spiegel teve acesso e publica neste sábado (21/10).

Soldados alemães na Lituânia: parte dos esforços para reforçar flanco báltico

O documento põe em xeque a capacidade das forças da OTAN de "reagir rapidamente e, se necessário, de forma sustentável", em caso de uma investigada russa. E aponta como uma das causas uma estrutura de comando reduzida desde a queda do Muro de Berlim, em 1989.

"A habilidade da OTAN de apoiar logisticamente um reforço no fortemente expandido território na área de responsabilidade dos comandos europeus atrofiou desde o fim da Guerra Fria", diz o documento obtido pela revista.

O texto também aponta uma série deficiência logística no flanco leste. A porta-voz da OTAN Ana Lungescu se recusou a comentar diretamente a reportagem da revista alemã, mas disse que as forças da Aliança Atlântica "estão mais prontas e capazes de se mobilizar do que em décadas".

As relações da OTAN com a Rússia se deterioram desde a intervenção russa na Ucrânia. A Polônia e aliados escandinavos e bálticos com frequência reportam se sentirem ameaçados e instaram a aliança a aumentar sua presença no flanco leste ante uma possível agressão. A OTAN aumentou recentemente para 40 mil suas tropas da chamada Força de Resposta, uma unidade especial de reação rápida que pode ser mobilizada por ar, mar e terra a qualquer momento, em qualquer parte do mundo.

Em 2014, após a crise na Crimeia, a OTAN resolveu criar uma força-tarefa de prontidão elevada, consistindo de quatro batalhões e no total 5 mil soldados, para reagir a uma eventual ameaça russa. Na época, ela foi criticada como insuficiente.

Postar um comentário