Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China tira mais um 'trunfo' aos EUA criando catapultas eletromagnéticas para porta-aviões

A China desenvolveu sua própria catapulta eletromagnética para os porta-aviões, sendo que anteriormente os EUA eram o único país que usava esse tipo de equipamento. Fazendo isso, o país asiático tem como objetivo melhorar a capacidade de combate dos seus grupos aeronavais.
Sputnik

Engenheiros chineses testaram o protótipo da catapulta eletromagnética de fabricação nacional com aviões de combate J-15, afirmou o contra-almirante chinês Yin Zhuo à edição China Daily. O alto responsável militar especificou que os aviões efetuaram "milhares de decolagens" usando a catapulta.


As catapultas dos porta-aviões são utilizadas para dar um impulso extra à aeronave (o que não é necessário se a aeronave decola do chão), devido à pequena pista de aterrissagem dos porta-aviões. Anteriormente, esse impulso era produzido por vapor.

O dispositivo eletromagnético usa um cabo de aço que liga o avião à catapulta e o faz decolar. De acordo com a mídia, o uso da catapulta foi conseguido devido ao sucess…

Peshmerga: governo iraquiano pagará caro pela operação em Kirkuk

O ataque a Kirkuk pode ser considerado declaração de guerra aos curdos, autoridades do Iraque pagarão caro por isso, afirmaram tropas peshmerga.


Sputnik

Peshmerga acrimina a recente ofensiva das Forças Armadas do Iraque em Kirkuk, declarando que eles pagarão caro por isso.


Militar iraquiano em Kirkuk (foto de arquivo)
Militar iraquiano em Kirkuk © REUTERS/ Ako Rasheed

O assessor sênior do presidente do Curdistão iraquiano Masoud Barzani, Hemin Hawrami, citou a declaração da peshmerga no âmbito da ofensiva das tropas iraquianas na região de Kirkuk.

"Esse ataque pode ser considerado declaração de guerra contra o povo do Curdistão", disse um representante peshmerga.

As tropas peshmerga disseram que o ataque é realizado por militares iraquianos e milícias xiitas sob o comando do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica. Os curdos acusam o governo do Iraque e o seu líder Haider al-Abadi de desencadear guerra.

Peshmerga acusou também a União Patriótica do Curdistão (UPK) de apoiar a campanha militar do Iraque. O líder da UPK, Jalal Talabani, morreu no início deste mês.

A declaração foi feita em meio à operação militar do Iraque em Kirkuk, destinada a assumir o controle da base militar K1, do aeroporto de Kirkuk, de dois campos de petróleo e do sistema de irrigação.

Hoje mais cedo, tropas iraquianas entraram na cidade de Tuz Khurmato, a sudeste de Kirkuk.

O representante da Comissão de Direitos Humanos da ONU no Iraque, Ali Al-Bayati, disse à Sputnik que os recentes combates perto da cidade de Tuz Khurmato, no norte da província de Salah ed-Dean, causou pelo menos duas mortes entre civis e deixou quatro feridos.

Em 2014, as tropas curdas peshmerga libertaram a província rica em petróleo de Kirkuk dos terroristas do grupo Daesh (proibido na Rússia). Desde então, a região tem sido controlada pelas autoridades curdas e forças peshmerga. Haider al-Abadi obteve autorização do parlamento para deslocar tropas para Kirkuk após o referendo pela independência curdo em 25 de setembro, qualificado por Bagdá como ilegal. Kirkuk, apesar de não fazer parte do Curdistão iraquiano, também tomou parte da votação.


Postar um comentário