Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministro israelense ameaça devolver Líbano à 'Idade da Pedra'

Em entrevista ao portal saudita Elaph, o ministro da Inteligência de Israel, Yisrael Katz, avisou que seu país não hesitará em atacar o Líbano para deter a atividade do grupo xiita libanês Hezbollah, e ameaçou devolver o Líbano à "Idade da Pedra", informou o jornal israelense Haaretz.
Sputnik

Além disso, Katz anunciou que Israel atacará instalações militares do Irã no Líbano: "Temos informações de que o Irã está construindo fábricas de mísseis avançados no Líbano e quero enfatizar que traçamos uma linha vermelha e que não deixaremos que o faça custe o que custar", acrescentou.


Lembrando-se da Segunda Guerra do Líbano em 2006, onde Israel lutou contra o Hezbollah, Katz destacou que os eventos de 11 anos atrás serão um "piquenique" em comparação com o que Israel pode fazer agora.

"Lembro-me de como um ministro saudita disse que devolveria o Hezbollah às suas cavernas no sul do Líbano. Devolveremos o Líbano à Idade da Pedra", declarou o ministro israel…

Por que 'todo o mundo' deseja comprar sistemas S-400 russos?

A demanda pelo sistema de defesa aérea russo S-400 é tão alta que um representante da produtora afirma ironicamente que as capacidades de produção destes sistemas são limitadas, segundo o jornal alemão Süddeutsche Zeitung.


Sputnik

A edição alemã relembra que há meio ano informaram sobre um acordo de venda de S-400 para a China. Anteriormente, a Rússia acordou em vender o sistema à Índia. Na semana passada, foram firmados mais dois contratos com a Turquia e com a Arábia Saudita.


Sistemas de mísseis russos S-400 na base aérea de Hmeymim, na Síria
Sistema antiaéreo S-400 Triumph na base aérea russa de Hmeymim, Síria © Sputnik/ Dmitry Vinogradov

De acordo com o conselheiro do presidente russo, Vladimir Kozhin, há uma fila de países desejando receber sistemas de defesa aérea russos — Sudeste Asiático, países do Oriente Médio e outros.

O autor do artigo explica por que a Turquia se beneficia com tal contrato: sendo um membro da OTAN demonstra de modo claro que se recusa da ajuda militar norte-americana.

No entanto, sublinham no Süddeutsche Zeitung, esse "ato de desobediência política" não teria sentido sem vantagens dos sistemas russos.

"O modernizado sistema móvel S-400 — de fato um grupo inteiro de lança-mísseis — é considerado muito eficiente, pois é capaz de detectar e atacar automaticamente alvos mais variados: caças, aviões de reconhecimento que voam a grandes altitudes, tais como Awacs; mísseis balísticos, mísseis de cruzeiro, drones e até bombardeiros furtivos", escreve o autor.

"Provou que supera os outros, é na verdade o melhor sistema de defesa aérea de hoje", disse Dmitry Shugaev, diretor do Serviço Federal russo de Cooperação Técnico-Militar (FSVTS, na sigla russa), citado pelo Süddeutsche Zeitung.

Segundo o especialista em armas, coronel aposentado alemão, Wolfgang Richter, S-400 russos fazem parte de "produtos líderes do mercado internacional".

"São sem dúvidas melhores do que o sistema norte-americano Patriot, que possui a Alemanha, e mais baratos", afirma.

Os recentes acordos de venda têm muita importância para a Rússia: provam sua reputação como a segunda maior potência exportadora de armas no mundo. Além disso, a compra de S-400 por um país-membro da OTAN corresponde aos interesses de Moscou.

Porém, lembra o autor, outro membro da OTAN, a Grécia, já comprou sistemas de defesa aérea russos, S-300, mas naquele tempo este contrato não atraiu tanta atenção.


Postar um comentário