Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Pyongyang condena 'estratagema' de Washington e Seul para invadir o país

As duas Coreias nunca assinaram um acordo de paz, portanto tecnicamente permanecem em estado de guerra. Nessa situação, o que significa a cooperação militar entre Seul e Washington para a Coreia do Norte?


Sputnik

Pyongyang anunciou na segunda-feira (2) que o Tratado de Defesa Mútua dos EUA e da Coreia do Sul é "um estratagema" para "invadir" a nação comunista, informa a agência Yonhap, citando o jornal do Partido dos Trabalhadores da Coreia, Rodong Sinmun.


As manobras militares conjutas dos EUA e a Coreia do Sul
AV-8B Harrier II da US Navy e C-130 Hércules em exercício militar conjunto dos EUA e Coreia do Sul © REUTERS/ Lance Cpl. Carlos Jimenez

Em 1 de outubro foi celebrado o 64º aniversário de assinatura desse acordo, que entrou em vigor em 1953 e estabeleceu um sistema de defesa combinada entre ambos os países. O acordo pressupõe que Washington deve defender Seul das ameaças de Pyongyang. Além disso, estabeleceu a base legal para o deslocamento de forças militares estadunidenses no território da Coreia do Sul.

De acordo com Rodong Sinmun, esse pacto é uma "explícita" e "imprudente ambição" dos EUA para "em qualquer momento levar a cabo uma invasão da Coreia do Norte". Por essa razão, Pyongyang exige a sua "imediata abolição " e a "expulsão das forças invasoras estadunidenses da Coreia do Sul".

Ao mesmo tempo, o jornal destaca que as manobras militares conjuntas que Washington e Seul constantemente realizam na região, bem como o deslocamento de armamentos estratégicos norte-americanos, criará "são responsáveis por criar "uma situação realmente grave de segurança" na península coreana, que "em qualquer momento" pode desencadear uma nova guerra.

A Coreia do Norte e a Coreia do Sul estão tecnicamente em estado de guerra, depois de a guerra da Coreia de 1950-1953 ter terminado com um armistício, mas sem ser assinado qualquer tratado de paz definitivo.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas