Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

'Resposta maciça': chefe do Pentágono adverte Pyongyang contra uso de armas nucleares

Os EUA nunca vão aceitar o status nuclear da Coreia do Norte, declarou o secretário da Defesa dos EUA James Mattis, que está em visita à Coreia do Sul.


Sputnik

Segundo apontou o chefe do Pentágono, Washington vai responder com um ataque maciço a qualquer utilização de armas nucleares por Pyongyang.


Resultado de imagem para James Mattis
James Mattis

"Os EUA nunca vão aceitar o fato de a Coreia do Norte possuir armas nucleares", anunciou o chefe da entidade militar dos EUA.

Ele também acrescentou que os testes de novos tipos de armas nucleares e de meios para seu lançamento minam a segurança da Coreia do Norte.

"Qualquer ataque aos EUA ou aos nossos aliados está condenado ao fracasso. Qualquer utilização de armas nucleares vai enfrentar uma resposta militar maciça, eficaz e esmagadora", afirmou James Mattis.

De acordo com ele, Washington defende uma resolução pacífica da crise na península da Coreia, mas a diplomacia é mais eficaz quando é "apoiada por uma força militar significativa".

Ele sublinhou também que os EUA possuem cenários militares, mas a prioridade é a regulação pacífica da situação na península da Coreia.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas