Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

Royal Navy expulsa nove militares por uso de drogas

Nove militares na Marinha Real da Grã-Bretanha foram demitidos por usarem drogas enquanto serviam a bordo de submarino nuclear, disse o Ministério da Defesa do país no sábado.


Poder Naval

A substância que utilizavam era cocaína, informou o Daily Mail.

HMS Vigilant

Os membros da RN foram expulsos depois que foram pegos em testes de drogas obrigatórios no HMS Vigilant — um dos quatro submarinos britânicos equipados com mísseis nucleares Trident.

“Nós não toleramos o uso indevido de drogas pelo pessoal do serviço. Aqueles que ficaram aquém dos nossos altos padrões estão sendo dispensados ​​do serviço”, disse um porta-voz da Royal Navy.

Os marinheiros falharam nos testes de drogas enquanto o navio estava atracado nos Estados Unidos para receber ogivas nucleares e realizar trabalho relacionado.

Eles alegadamente mantiveram festas regadas a drogas em hotéis onde estavam hospedados.

Um porta-voz do Ministério da Defesa disse que não havia evidências que sugerissem que os membros do serviço estavam “sob a influência durante o desempenho de suas funções”.

Postar um comentário