Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministro israelense ameaça devolver Líbano à 'Idade da Pedra'

Em entrevista ao portal saudita Elaph, o ministro da Inteligência de Israel, Yisrael Katz, avisou que seu país não hesitará em atacar o Líbano para deter a atividade do grupo xiita libanês Hezbollah, e ameaçou devolver o Líbano à "Idade da Pedra", informou o jornal israelense Haaretz.
Sputnik

Além disso, Katz anunciou que Israel atacará instalações militares do Irã no Líbano: "Temos informações de que o Irã está construindo fábricas de mísseis avançados no Líbano e quero enfatizar que traçamos uma linha vermelha e que não deixaremos que o faça custe o que custar", acrescentou.


Lembrando-se da Segunda Guerra do Líbano em 2006, onde Israel lutou contra o Hezbollah, Katz destacou que os eventos de 11 anos atrás serão um "piquenique" em comparação com o que Israel pode fazer agora.

"Lembro-me de como um ministro saudita disse que devolveria o Hezbollah às suas cavernas no sul do Líbano. Devolveremos o Líbano à Idade da Pedra", declarou o ministro israel…

Rússia prepara o mais perigoso 'assassino de porta-aviões'

Os engenheiros da fábrica militar russa Dagdiesel projetaram um novo torpedo que será testado no fim desse ano, declarou o diretor-geral da entidade, Raul Ilyasov.


Sputnik

A fábrica se especializa na produção de torpedos que podem ser utilizados nos submarinos nucleares Borei e Yasen. Ultimamente, Dagdiesel se tem concentrado na fabricação de torpedos autoguiados submarinos Futlyar, de 533 milímetros.


Submarino estratégico da classe Borei, Yuri Dolgoruky (foto de arquivo)
Submarino estratégico da Classe Borei, Yuri Dolgoruky © Foto: Serviço de imprensa de Sevmash

Os submarinos de quarta geração Borei e Yasen serão equipados com este projetil, mais tarde os submarinos de gerações anteriores também serão equipados com o mesmo torpedo. Porém, de acordo com o correspondente militar da edição russa Svobodnaya Pressa, Vladimir Tuchkov, a fábrica não irá criar um torpedo a partir do zero. A arma será provavelmente uma versão modernizada do Futlyar.

Está previsto que a arma substituirá uns torpedos anteriores chamados Fisik. Os projetis deste tipo entraram em serviço da Marinha Russa em 2015 e substituíram os obsoletos USET-80, projetados ainda em 1980. Com uma velocidade de até 83 km/hora, estes torpedos elétricos de 533 milímetros e 300 quilogramas de carga têm um alcance de apenas 18 quilômetros. Ao mesmo tempo, contam com uma profundidade máxima de operabilidade de até 1.000 metros. Apenas um submarino na história da Marinha Soviética, o K-278 Komsomolets, era capaz de submergir a esta profundidade. Foi desenvolvido devido a uma manobra de desinformação norte-americana, segundo a qual os EUA estavam fabricando um submarino com uma profundidade máxima de até um quilômetro.

O ponto mais fraco desde torpedo elétrico é seu alcance curto. Além do mais, tem um custo de cerca de um milhão de dólares (R$ 3,17 milhões). Além disso, o Fisik é muito sensível à composição química da água. Por exemplo, não pode ser utilizado no mar Báltico, já que suas águas não são suficientemente salgadas para serem capazes de iniciar os processos químicos necessários para a bateria do projetil.

Quanto aos torpedos térmicos USET-80, também fabricados por Dagdiesel, que usam o peróxido de hidrogênio como oxidante, são muito mais potentes e têm uma maior autonomia em comparação com os torpedos elétricos.

Na década dos 90, Dagdiesel testou um "torpedo grosso" de 650 milímetros e 765 toneladas de TNT. O torpedo foi chamado de Kit 65-76A, também conhecido como "assassino de porta-aviões". Este torpedo tinha um alcance de 50 quilômetros quando se deslocava a 92 km/hora e de 64 quando alcançava os 100.

No que diz respeito ao Fisik, que foi apresentado ao público em 2003 e só encontrou em serviço 12 anos depois, tinha vantagens muito notáveis em respeito ao USET-80. Não se trata de apenas vantagens táticas e técnicas, mas também de seu custo. O prazo de serviço de um torpedo elétrico é muito curto e o custo dele é mais alto. Talvez por este motivo os EUA tenham renunciado a utilizar o torpedo dispendioso Mark 50 em favor da versão mais econômica Mark 48. Por sua vez, o Fisik russo tem um alcance de 50 quilômetros e uma velocidade de 92 km/hora. Seu motor conta com um propulsor de água em vez de hélices, o que lhe permite se mover de uma maneira especialmente silenciosa.

Quanto ao Futlyar, este tem caraterísticas mais avançadas. Mesmo que todos os detalhes de seu projeto ainda não fossem revelados devido a medidas de segurança, se sabe que este será equipado com o sistema de propulsão TPS-53, capaz de aumentar o alcance de projetil até os 60 quilômetros e de atingir uma velocidade de até 120 km/hora.

Além do mais, o motor de turbina do torpedo utilizará combustível Otto-fuel, o que permitirá aumentar sua capacidade até 800 quilowatts. Assim, o Futlyar supera o torpedo mais popular e potente das Forças Armadas dos EUA, o Mark 48, que tem uma velocidade máxima de apenas 111 km/hora e um alcance de 50 quilômetros, concluiu Tuchkov.


Postar um comentário