Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Estados Unidos elaboram sistema transportável de luta contra drones

A companhia norte-americana Sierra Nevada elaborou uma instalação compacta para luta contra drones que pode ser instalada em picapes e funcionar eficazmente durante o movimento, informa o portal Defense News.
Sputnik

O novo sistema chamado X-Madis pode detectar, identificar e atingir os alvos com meios de guerra eletrônica mesmo em movimento à velocidade de até 80 km/h. Entretanto, para usar o sistema basta um só operador que o poderá dirigir da cabine do veículo, comunica o portal.

Segundo explicaram na companhia, o X-Madis pode ser instalado em várias plataformas móveis, tais como picapes pesadas, veículos todo-o-terreno leves ou barcos.

Além disso, o sistema já foi testado em vários tipos de veículos militares que estão em serviço do exército norte-americano.

O novo dispositivo foi apresentado na exposição SOFIC 2018 que atualmente está sendo realizada em Tampa, no estado norte-americano da Flórida.

Trump acusa Irã de financiamento da Coreia do Norte

O presidente norte-americano, Donald Trump, acusou Teerã de apoio financeiro à Coreia do Norte.


Sputnik

"Estou seguro que eles [o Irã] financiam a Coreia do Norte, estou seguro que eles têm comércio com a Coreia do Norte, estou seguro que eles têm negócios com a Coreia do Norte, o que é completamente inaceitável", afirmou o líder norte-americano em entrevista ao canal TBN.


Vista de Teerã, capital do Irã
Teerã, capital do Irã © flickr.com/ peyman abkhezr

Trump frisou que as ações do Irã "minam o espirito" do acordo nuclear e prometeu anunciar sua decisão quanto à postura dos EUA no âmbito do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, sigla em inglês; acordo internacional acerca do programa nuclear iraniano) no futuro próximo.

O presidente dos EUA acrescentou que considera o Irã um "ator ruim" que merece ser tratado "do jeito correspondente".

Anteriormente, várias fontes da mídia comunicaram que Trump tenciona abandonar JCPOA e anunciar que o acordo contraria os interesses nacionais dos EUA.


Postar um comentário