Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Turquia fecha espaço aéreo para voos do Curdistão iraquiano

O Conselho de Segurança Nacional da Turquia recomendou fechar o espaço aéreo do país para voos do Curdistão iraquiano, em função dos constantes confrontos entre as forças federais iraquianas e os combatentes Peshmerga curdos em Kirkuk.


Sputnik

"Consideramos necessário recomendar o encerramento do espaço aéreo da Turquia para o norte do Iraque. O controle do posto fronteiriço de Ibrahim Halil deve ser entregue ao governo iraquiano", informou a assessoria de imprensa do Conselho em um comunicado nesta segunda-feira.


Militante do PKK no norte do Iraque
Soldado do PKK no norte do Iraque © AFP 2017/ AHMAD AL-RUBAYE

Em 2014, as tropas peshmerga curdas libertaram a província Kirkuk, rica em petróleo, do Daesh. Desde então, a região tem sido controlada pelas autoridades curdas e forças peshmerga. O premiê do Iraque, Haider al-Abadi, obteve autorização do parlamento para deslocar tropas para Kirkuk após o referendo pela independência curdo, realizado em 25 de setembro e que Bagdá qualificou como ilegal. Kirkuk, apesar de não fazer parte do Curdistão iraquiano, também participou da votação.

A Turquia, assim como o Irã, criticaram a tentativa de independência do Curdistão iraquiano e se opuseram ao referendo.

Ancara também suspendeu vôos para o Curdistão iraquiano e interrompeu a transmissão de seus canais de televisão na região autônoma.

Em 25 de setembro, mais de 90% dos eleitores que participaram de um referendo no Curdistão iraquiano apoiaram a independência da região em relação a Bagdá.

As autoridades iraquianas declararam o referendo ilegal, enquanto a Turquia e o Irã criticaram a votação por medo do fortalecimento dos sentimentos separatistas entre suas próprias minorias étnicas curdas.


Postar um comentário