Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Radicais sírios estariam recebendo armamento dos EUA através da fronteira com Jordânia

Enquanto o exército sírio parece estar pronto para uma grande ofensiva na província de Daraa, os grupos radicais que operam na região estariam recebendo grandes remessas de material bélico "Made in USA".
Sputnik

Os grupos militantes que atuam no sul da Síria receberam uma grande quantidade de armas e munições fabricadas nos EUA, incluindo mísseis antitanque TOW, informou a agência de notícias FARS.

De acordo com a FARS, o armamento foi entregue através da fronteira com a Jordânia no âmbito de um novo plano dos EUA para assegurar mais apoio a estes grupos na Síria.

A agência informou também que os grupos militantes na província de Daraa começaram a se preparar para impedir a ofensiva do exército sírio.

No início deste mês, o exército sírio intensificou as ações no sudoeste do país, controlado por radicais, perto da fronteira com a Jordânia e as Colinas de Golã, ocupadas por Israel.

O Ministério da Defesa da Rússia acrescentou que as forças do governo sírio, apoiadas por um grande a…

Após 13 dias, busca por submarino desaparecido vive "horas críticas"

A Marinha da Argentina afirmou nesta terça-feira que as buscas pelo submarino ARA San Juan, desaparecido há 13 dias nas águas do oceano Atlântico, vivem "horas críticas" e de "muita incerteza", embora tenha ressaltado o compromisso para encontrar o aparelho o mais rápido possível.


EFE

"São horas críticas, 13 dias de busca, ainda não pudemos detectar o submarino. São horas de muita incerteza. A Marinha não gera a incerteza, a situação é incerta", explicou o capitão de navio, Enrique Balbi, em entrevista coletiva na sede central da Marinha em Buenos Aires.


Imagem do porta-voz da Armada Argentina, Enrique Balbi. EFE/Carlota Ciudad
Imagem do porta-voz da Armada Argentina, Enrique Balbi. EFE/Carlota Ciudad

O porta-voz do corpo militar acrescentou que a previsão do tempo hoje "não é tão boa", com "ventos regulares e ondas dentre dois e três metros", por isso ainda é demorada a chegada à área de busca do mini submarino dos Estados Unidos que pode descer até 600 metros de profundidade.

Devido à "comunicação permanente" com o governo, o boletim diário da Marinha sobre os detalhes do rastreamento no mar, do qual participam mais de 10 países, demorou hoje duas horas além do previsto, o que levantou especulações sobre novidades no caso.

"É uma situação muito complicada, crítica, angustiante, de tensão e preocupação para os familiares e com toda a Marinha comprometida", ressaltou Balbi, que lembrou que, apesar de terem passado 13 dias sem notícias do submarino, não há data para a finalização das buscas no oceano.

Trata-se de uma "operação humanitária sem precedentes", continuou o capitão, com 23 navios de superfície, oito aeronaves e mais de 4 mil pessoas trabalhando.

Apesar das condições meteorológicas, a chegada do navio russo Yantar continua prevista para 5 de dezembro, enquanto nesta madrugada zarpou a corveta Robinson com um veículo submersível russo com uma área de operações de 200 a 300 metros.

Atualmente, oito navios estão na área de operações com centro na região na qual foi registrada uma explosão no dia em que desapareceu o ARA San Juan, que ainda não se sabe se veio do submarino.

Está sendo rastreado um raio de 36 quilômetros, que compreende "uma superfície circular de quase 4 mil quilômetros quadrados ", concluiu Balbi.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas