Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Arábia Saudita corre risco de se envolver em 'guerra de desgaste'

A Arábia Saudita poderia se envolver em uma grande guerra no Iêmen, destinada a desgastar seus recursos, disse à Sputnik o general e especialista militar egípcio Nabil Fuad.


Sputnik

Em 4 de novembro, a Arábia Saudita interceptou um míssil balístico a nordeste de Riad, lançado pelos rebeldes iemenitas. Os restos do míssil caíram na zona do Aeroporto Internacional Rei Khalid. O ataque não provocou danos materiais ou vítimas.


Militantes iemenitas
Militantes iemenitas © REUTERS/ Stringer

"O lançamento de um míssil balístico é uma tentativa de demonstrar poder, criar uma ameaça para as instalações vitais da Arábia Saudita. No Iêmen continua a guerra de guerrilha. Por isso, receio que seja uma 'guerra de desgaste' contra a Arábia Saudita", disse o especialista à Sputnik.

Segundo Nabil Fuad, embora o Iêmen antes da guerra tivesse mísseis, o seu arsenal não incluía tantos mísseis como os que têm sido lançados a partir do território do Iêmen, o que significa que os projéteis balísticos foram fornecidos do exterior, o que torna necessário um controle total das fronteiras deste país.


"Note-se que o ex-presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, realmente tinha esse tipo de mísseis em seu arsenal. Mas, desde o início do atual conflito, as forças houthis e de Saleh já lançaram muitos mísseis, mais do que eles tinham nos armazéns. Então surge a questão: de onde vieram esses mísseis?", declarou ele.

Entretanto, é de mencionar que a mídia associada aos houthis afirmou várias vezes que o movimento houthi Ansar Allah tem capacidade de fabricar mísseis de médio alcance.

Riad, por sua vez, acusou Teerã de estar implicada no lançamento de mísseis a partir do Iêmen e considera que o incidente é um ato de agressão militar por parte de Irã, podendo ser considerado no futuro como um ato de guerra contra a Arábia Saudita.

De acordo com o especialista egípcio, a decisão do comando da coalizão árabe de fechar todos os portos terrestres, aéreos e marítimos do Iêmen demonstra um esforço para evitar novos fornecimentos de mísseis balísticos.

"Se a coalizão conseguir fazê-lo, as forças houthis e de Saleh gastarão todo o seu arsenal de mísseis em breve", disse ele.

A Arábia Saudita está envolvida em um conflito violento com os rebeldes iemenitas houthis por mais de dois anos. Desde 2014, o Iêmen tem vivido um conflito armado entre os rebeldes do movimento houthi Ansar Allah, que contam com o suporte de militares partidários do ex-presidente Ali Abdullah Saleh, e as tropas do atual presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi.

Postar um comentário