Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Troféus de guerra: tecnologias militares desviadas nos últimos 20 anos

A espionagem na indústria militar é uma das formas mais eficazes de obter a tecnologia que não se possui. Na guerra invisível conduzida pelos serviços secretos todos os meios são usados.
Sputnik

A Sputnik conta sobre as tecnologias das quais, em vários momentos, os governos conseguiram se apropriar. 

Drone desaparecido

Em 4 de dezembro de 2011, o mais novo drone stealth norte-americano RQ-170 Sentinel desapareceu no oeste do Afeganistão. Segundo o Pentágono, alguém "cortou" o canal de comunicação entre o drone e o operador. Cinco dias depois, um veículo aéreo não tripulado com características de design semelhantes foi apresentado na televisão iraniana. Ainda não se sabe exatamente como o controle do drone foi interceptado. Especialistas acreditam que isso não poderia ter acontecido sem um moderno sistema de guerra eletrônica entregue ao Irã pela Rússia ou China. Não há informações oficiais sobre esse assunto.

O ex-presidente dos EUA, Barack Obama, apelou às autoridades da Repúbl…

Arábia Saudita corre risco de se envolver em 'guerra de desgaste'

A Arábia Saudita poderia se envolver em uma grande guerra no Iêmen, destinada a desgastar seus recursos, disse à Sputnik o general e especialista militar egípcio Nabil Fuad.


Sputnik

Em 4 de novembro, a Arábia Saudita interceptou um míssil balístico a nordeste de Riad, lançado pelos rebeldes iemenitas. Os restos do míssil caíram na zona do Aeroporto Internacional Rei Khalid. O ataque não provocou danos materiais ou vítimas.


Militantes iemenitas
Militantes iemenitas © REUTERS/ Stringer

"O lançamento de um míssil balístico é uma tentativa de demonstrar poder, criar uma ameaça para as instalações vitais da Arábia Saudita. No Iêmen continua a guerra de guerrilha. Por isso, receio que seja uma 'guerra de desgaste' contra a Arábia Saudita", disse o especialista à Sputnik.

Segundo Nabil Fuad, embora o Iêmen antes da guerra tivesse mísseis, o seu arsenal não incluía tantos mísseis como os que têm sido lançados a partir do território do Iêmen, o que significa que os projéteis balísticos foram fornecidos do exterior, o que torna necessário um controle total das fronteiras deste país.


"Note-se que o ex-presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, realmente tinha esse tipo de mísseis em seu arsenal. Mas, desde o início do atual conflito, as forças houthis e de Saleh já lançaram muitos mísseis, mais do que eles tinham nos armazéns. Então surge a questão: de onde vieram esses mísseis?", declarou ele.

Entretanto, é de mencionar que a mídia associada aos houthis afirmou várias vezes que o movimento houthi Ansar Allah tem capacidade de fabricar mísseis de médio alcance.

Riad, por sua vez, acusou Teerã de estar implicada no lançamento de mísseis a partir do Iêmen e considera que o incidente é um ato de agressão militar por parte de Irã, podendo ser considerado no futuro como um ato de guerra contra a Arábia Saudita.

De acordo com o especialista egípcio, a decisão do comando da coalizão árabe de fechar todos os portos terrestres, aéreos e marítimos do Iêmen demonstra um esforço para evitar novos fornecimentos de mísseis balísticos.

"Se a coalizão conseguir fazê-lo, as forças houthis e de Saleh gastarão todo o seu arsenal de mísseis em breve", disse ele.

A Arábia Saudita está envolvida em um conflito violento com os rebeldes iemenitas houthis por mais de dois anos. Desde 2014, o Iêmen tem vivido um conflito armado entre os rebeldes do movimento houthi Ansar Allah, que contam com o suporte de militares partidários do ex-presidente Ali Abdullah Saleh, e as tropas do atual presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas