Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Radicais sírios estariam recebendo armamento dos EUA através da fronteira com Jordânia

Enquanto o exército sírio parece estar pronto para uma grande ofensiva na província de Daraa, os grupos radicais que operam na região estariam recebendo grandes remessas de material bélico "Made in USA".
Sputnik

Os grupos militantes que atuam no sul da Síria receberam uma grande quantidade de armas e munições fabricadas nos EUA, incluindo mísseis antitanque TOW, informou a agência de notícias FARS.

De acordo com a FARS, o armamento foi entregue através da fronteira com a Jordânia no âmbito de um novo plano dos EUA para assegurar mais apoio a estes grupos na Síria.

A agência informou também que os grupos militantes na província de Daraa começaram a se preparar para impedir a ofensiva do exército sírio.

No início deste mês, o exército sírio intensificou as ações no sudoeste do país, controlado por radicais, perto da fronteira com a Jordânia e as Colinas de Golã, ocupadas por Israel.

O Ministério da Defesa da Rússia acrescentou que as forças do governo sírio, apoiadas por um grande a…

Aviões de combate F-35 compartilham segredos nacionais com os EUA

Os responsáveis da defesa noruegueses estão preocupados com o fato de a sua nova frota de aviões militares F-35 estar equipada com sensores que enviam automaticamente informação crítica ao seu fabricante norte-americano Lockheed Martin.


Sputnik

A Noruega, um dos principais compradores dos aviões de combate norte-americanos F-35, está preocupada com a sua nova frota de aviões, criada para se tornar a espinha dorsal da defesa norueguesa, que envia automaticamente dados ao fabricante nos EUA.


Os três primeiros aviões F-35 encomendados pela Força Aérea da Noruega perto de Trondheim, Noruega, 3 de novembro de 2017
Os 3 primeiros F-35 da Noruega © REUTERS/ Ned Alley

A dispendiosa aeronave, que custou à Noruega bilhões de dólares, está equipada com tecnologia que melhora as capacidades da Noruega de vigilar grandes áreas em terra e no mar. Contudo, os aviões foram criados de tal forma que enviam automaticamente informação para os servidores dos seus fabricantes no Texas depois de cada voo, o que preocupa muito os responsáveis pela área da defesa. A informação, enviada via Sistema de Informação de Logística Autônoma (ALIS, na sigla em inglês) global, inclui dados operacionais, autodiagnóstico dos aviões, dados de manutenção e dados de treinamento.

"Devido a considerações nacionais, há necessidade de um filtro com o qual os países podem excluir dados sensíveis do fluxo informacional compartilhado pelo sistema com o fabricante Lockheed Martin", disse ao portal ABC Nyheter o consultor superior do Ministério da Defesa, Lars Gjemble.

Gjemble comparou o avanço desde o F-16, que está agora em uso na Noruega, até ao F-35 com a melhoria desde o velho celular Nokia 3210 até ao iPhone X, apontando que um maior leque de opções, caraterísticas e dados também requerem maior proteção.

"De algum modo, é semelhante ao desafio que representa o seu iPhone X compartilhando informação com os seus fabricantes", explicou Gjemble.

De acordo com ele, há uma necessidade urgente de proteção da programação do avião via Ficheiros de Dados de Missão (MDF, na sigla em inglês), que ele descreveu como a biblioteca de possíveis ameaças nas áreas onde os aviões F-35 devem operar. Os MDF contêm dados nacionais para otimizar os sensores da aeronave.

A Noruega decidiu adquirir 52 novos aviões F-35 no valor total de cerca de 10 bilhões de dólares (cerca de 33 bilhões de reais). Os custos associados com o projeto são estimados em $ 33 bilhões (107 bilhões de reais).

Antes, em novembro, a Noruega recebeu a primeira remessa de aviões F-35. Contudo, mais tarde decidiram que estes aviões caros serão guardados em barracas na base aérea de Orland até ao menos 2020, porque os hangares para os aviões de combate ainda não estão prontos.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas