Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Mais 2 palestinos morrem após ataque israelense na Faixa de Gaza

Total de mortos chega a 4 após Israel atacar a Faixa de Gaza e atingir militantes do Hamas; confrontos começaram após Donald Trump reconhecer Jerusalém como capital israelense.
Por G1

Mais dois palestinos morreram neste sábado (9) em um ataque aéreo israelense na Faixa de Gaza contra alvos do movimento palestino Hamas. A Defesa de Israel disse que o bombardeio foi uma resposta a um foguete lançado pelo Hamas na sexta-feira. Os confrontos começaram após o presidente norte-americano, Donald Trump, reconhecer Jerusalém como a capital israelense nesta semana.

"Na manhã de sábado, equipes de resgate encontraram os corpos de dois palestinos que morreram em ataques aéreos israelenses na noite passada no norte da Faixa de Gaza", disse o porta-voz Ashraf Al Qedra.

Com essas duas mortes, subiu para quatro o número de palestinos mortos desde a última sexta-feira (8). Já são mais de 300 feridos desde que o grupo islâmico voltou a atacar Israel, após a decisão do governo americano, tomada na…

Estado Islâmico assassinou 2 pessoas em outubro na Síria, menor número desde 2014

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) assassinou duas pessoas no último mês na Síria, o menor número mensal desde a proclamação de um califado em junho de 2014 por parte dos radicais na Síria e no Iraque, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos.


EFE

As duas vítimas foram executadas extrajudicialmente pelo EI acusadas de blasfemar e de bruxaria no leste da província síria de Deir ez-Zor, na fronteira com o território iraquiano.


Resultado de imagem para estado islamico siria
Reprodução internet

A ONG destacou que com estes dois chega a 5.102, entre eles 2.870 civis, o número de pessoas mortas pelos extremistas desde o anúncio do califado em 29 de junho de 2014.

A fonte destacou, nesse sentido, que o EI está assistindo ao colapso das suas fileiras e a uma forte perda de território.

O Observatório lembrou que atualmente os jihadistas dominam apenas 3% da superfície da Síria frente à mais da metade do território que chegaram a controlar em 2015.

Os radicais são alvo de uma ofensiva das tropas governamentais nas províncias de Homs e de Deir ez-Zor e de outra das Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança armada liderada por milícias curdas, na segunda região.

Também há presença do EI em alguns pontos da província central de Hama e nas sulinas de Al Quneitra e Deraa, assim como no campo de refugiados palestinos de Al Yarmouk e em áreas contíguas do sul de Damasco.


Postar um comentário