Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Mais 2 palestinos morrem após ataque israelense na Faixa de Gaza

Total de mortos chega a 4 após Israel atacar a Faixa de Gaza e atingir militantes do Hamas; confrontos começaram após Donald Trump reconhecer Jerusalém como capital israelense.
Por G1

Mais dois palestinos morreram neste sábado (9) em um ataque aéreo israelense na Faixa de Gaza contra alvos do movimento palestino Hamas. A Defesa de Israel disse que o bombardeio foi uma resposta a um foguete lançado pelo Hamas na sexta-feira. Os confrontos começaram após o presidente norte-americano, Donald Trump, reconhecer Jerusalém como a capital israelense nesta semana.

"Na manhã de sábado, equipes de resgate encontraram os corpos de dois palestinos que morreram em ataques aéreos israelenses na noite passada no norte da Faixa de Gaza", disse o porta-voz Ashraf Al Qedra.

Com essas duas mortes, subiu para quatro o número de palestinos mortos desde a última sexta-feira (8). Já são mais de 300 feridos desde que o grupo islâmico voltou a atacar Israel, após a decisão do governo americano, tomada na…

Estados Unidos criam exoesqueleto para dotar seus soldados de 'força extra' (video)

A empresa norte-americana, Locheed Martin, há muito trabalha na criação de um exoesqueleto para os soldados do Exército dos EUA a fim de aumentar suas capacidades físicas no campo de batalha. Segundo um estudo do laboratório de Neuromecânica da Universidade de Michigan, o equipamento reduz o esforço envidado no terreno inclinado.


Sputnik

O exoesqueleto, batizado de Fortis, permite aos soldados transportar uma carga de 18 quilos por um terreno inclinado de 15 graus sem aplicar tanta tensão em suas pernas e sem perder tanta energia.


Exoesqueleto | Reprodução Twitter

O Fortis é anexado aos joelhos, ajudando a levantar objetos pesados e subir regiões íngremes. Seu software é a chave do sucesso, tecnologia B-Temia Dermoskeleton, capaz de adivinhar os movimentos que pretende realizar o portador e sincronizá-los com os seus.

Apesar de o exoesqueleto pesar 12 kg, a Lockheed Martin assegura que a carga é distribuída tão perfeitamente que o soldado quase não a sente. A empresa também sublinha que os militares que trabalham com Fortis desempenham pelo menos o dobro e até 27 vezes melhor do que sem o acessório.

Keith Maxwell, diretor do programa Fortis, destaca que o exoesqueleto pode "literalmente" ajudar os soldados norte-americanos a percorrer "mais uns quilômetros" enquanto transportam equipamento militar necessário para missão desempenhada, citado pelo Army Technology.

O passo seguinte do desenvolvimento é continuar os teste e ver como o equipamento responde no ambiente urbano, em que é necessário subir e descer escadas carregando peso.



Postar um comentário