Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Adeus a tecnologias 'stealth': novo radar russo pode detectar aviões furtivos

Tecnologias russas capazes de detectar aviões furtivos do inimigo podem vir a fazer parte do sistema da defesa antiaérea unida da OTSC – Organização do Tratado de Segurança Coletiva, declarou o chefe do Estado-Maior Conjunto da aliança, Anatoly Sidorov.
Sputnik

Inovações russas capazes de desativar tecnologias furtivas do inimigo podem vir a ser usadas na criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, declarou militar, citado pelo jornal Rossiyskaya Gazeta. Sidorov comentou que essas inovações seriam eficazes tanto contra aviação do inimigo como contra ataques com mísseis.



O sistema Rezonans-NE funciona graças ao princípio de reflexão ressonante de ondas de rádio da superfície de aparelhos aéreos, facilitando vigilância de aeronaves e mísseis do inimigo, explicou Aleksandr Scherbinko, vice-diretor executivo da empresa de design Rezonans.

"Este modelo pode ser de grande interesse, levando em consideração criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, cuja inauguração est…

EUA desenvolvem míssil destinado a rivalizar com 'assassino absoluto' da Rússia

Os EUA tencionam desenvolver um míssil capaz de concorrer com o míssil K-77M, batizado de "assassino absoluto" devido às suas capacidades inéditas. O K-77M deverá equipar os caças russos de quinta geração Su-57.


Sputnik

O Pentágono iniciou o programa de dez anos destinado a desenvolver um novo míssil ar-ar capaz de interceptar alvos a grandes distâncias, anunciou o portal FlightGlobal. 

Míssil ar-terra norte-americano
© Foto: US Air Force / Lance Cheung

Os militares norte-americanos explicam a sua intenção de se dotar de uma arma de longo alcance (LREW, Long Range Engagement Weapon) para "manter o domínio no ar".

Planeja-se que a nova arma, cujo nome ainda não foi revelado, vá concorrer com o míssil russo K-77, com o qual vão ser equipados os caças russos de 5ª geração Su-57.

O futuro míssil deve substituir o míssil ar-ar de médio alcance Raytheon AIM-120 AMRAAM que está em serviço desde 1980.

Com um alcance de 160 km e um sistema integrado de posicionamento por satélite (GPS) a versão mais recente do AIM-120 é menos eficiente do que o "assassino absoluto" K-77M ou os mísseis chineses PL-12D e Pl-21. O AIM-120 não pode aproveitar completamente as tecnologias militares desenvolvidas nos últimos anos.

Uma análise do projeto LREW e seu estudo de viabilidade estão prontos e classificados desde 2016, o Pentágono está atualmente refletindo sobre o projeto do novo míssil, diz o site Popular Mechanics.

Os engenheiros devem, em particular, colocar o radar de varredura eletrônica ativa (AESA) do seu sistema de guiamento no nariz do míssil, melhorando assim a sua capacidade de detecção de alvos. Outra novidade que poderia melhorar o desempenho do míssil é a utilização de motores a jato especiais em vez de motores de foguete para assegurar a propulsão. O míssil deverá voar a uma velocidade de até Mach 4 (5 mil km/h) ou Mach 5 (6 mil km/h).

Postar um comentário