Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Mais 2 palestinos morrem após ataque israelense na Faixa de Gaza

Total de mortos chega a 4 após Israel atacar a Faixa de Gaza e atingir militantes do Hamas; confrontos começaram após Donald Trump reconhecer Jerusalém como capital israelense.
Por G1

Mais dois palestinos morreram neste sábado (9) em um ataque aéreo israelense na Faixa de Gaza contra alvos do movimento palestino Hamas. A Defesa de Israel disse que o bombardeio foi uma resposta a um foguete lançado pelo Hamas na sexta-feira. Os confrontos começaram após o presidente norte-americano, Donald Trump, reconhecer Jerusalém como a capital israelense nesta semana.

"Na manhã de sábado, equipes de resgate encontraram os corpos de dois palestinos que morreram em ataques aéreos israelenses na noite passada no norte da Faixa de Gaza", disse o porta-voz Ashraf Al Qedra.

Com essas duas mortes, subiu para quatro o número de palestinos mortos desde a última sexta-feira (8). Já são mais de 300 feridos desde que o grupo islâmico voltou a atacar Israel, após a decisão do governo americano, tomada na…

Nas mãos da OTAN, 'Geórgia é objeto e não sujeito'

Washington e Tbilisi deliberaram aumentar a escala dos treinamentos militares conjuntos com participação dos países da OTAN.


Sputnik

A assessoria de imprensa do Ministério da Defesa da Geórgia informou que tal acordo foi alcançado durante o encontro entre o ministro da Defesa georgiano, Levan Izoria, e o conselheiro do presidente dos EUA para a defesa nacional, Herbert McMaster, na Casa Branca.


M1A2 Abrams nos exercícios conjuntos dos EUA e Geórgia em 5 de maio, 2016
Exercício militar entre EUA e Geórgia © REUTERS/ David Mdzinarishvili

Comentando o encontro, o ministro georgiano destacou que as relações com o parceiro estratégico (Washington) se elevam a um outro nível e se tornam cada vez mais intensas.

No entanto, os analistas militares não são tão otimistas quanto ao assunto. Aleksandr Pylyaev, analista militar russo, afirmou ao serviço russo da Rádio Sputnik que, uma vez entrada na esfera de interesses dos EUA, a Geórgia não terá possibilidade de sair dela sem conflitos.

"Não falaria da Geórgia como um jogador geopolítico ativo. Ela não é sujeito, é objeto. No que diz respeito à integração da Geórgia na OTAN, acho que tal perspectiva é possível, mas não no próximo decênio", opinou o analista.

Para ele, tal "namorico" com Tbilisi por parte de Washington é, em primeiro lugar, uma alavanca política e não militar. A Geórgia está em uma determinada órbita política e ninguém deixará que saia dela, frisou.

Pylyaev, falando das relações entre os EUA e a Geórgia, faz alusão ao chacal e ao tigre do livro sobre Mogli. Tbilisi, como um "cachorro fiel", sempre seguirá os interesses de Washington.

"A Geórgia vai participar de todas operações que sejam do interesse da OTAN e vai fazê-lo sem lamentos e gemidos, a despeito de todas as baixas nessas campanhas aventureiras", resumiu.


Postar um comentário