Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Brasil comemora 20 anos do fim do conflito entre Peru e Equador

O Brasil irá comemorar nesta terça-feira os 20 anos do fim dos conflitos na fronteira entre Peru e Equador, que se prolongaram por quase 170 anos e que causaram várias guerras, tensões e enfrentamentos entre ambos os países.
EFE

Brasília - O Acordo Global e Definitivo de Paz entre Equador e Peru foi assinado em 26 de outubro de 1998 em Brasília, que voltará a ser palco de um encontro entre representantes dessas duas nações, mas agora para reafirmar "o valor e a eficácia da diplomacia e da solução pacífica de controvérsias", diz o comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

A cerimônia contará com a participação do equatoriano José Ayala Lasso e do peruano Fernando de Trazegnies Granda, que eram os chanceleres de seus países na ocasião da assinatura e tiveram participação ativa nas negociações, e será presidido pelo ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes.

Segundo a nota oficial, a comemoração "também evidencia, uma vez mais, a capacidade regional de responder e…

Operação Ágata combate entrada de armas e drogas em mil km de fronteiras

Um contingente de 3.300 homens, com tropas do Exército, Marinha e Aeronáutica realizam diversas operações de combate à entrada de armas, drogas e contrabando numa faixa de mil quilômetros de fronteira com o Paraguai e a Argentina desde Itapiranga (SC) até Caracol (MS).


Sputnik

A Operação Ágata, coordenada pela 5ª Divisão do Exército realiza diversas ações como bloqueio de rodovias e estradas vicinais, patrulhamento de rios, fiscalização de controle de produtos, além de prestar apoio às populações que recebem os contingentes. A Sputnik Brasil solicitou à 5ª Divisão do Exército entrevista com algum oficial coordenador das operações, e foi informada que não é praxe esse tipo de atendimento.


Tropas patrulham 1 mil km de fronteiras entre Paraguai e Argentina
Tropas brasileiras patrulham mil quilômetros de fronteira entre Paraguai e Argentina | Jorge Cardoso/Ministério da Defesa/Fotos Públicas

Ainda assim, a 5ª Divisão informou que as operações contaram com o apoio da 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, com sede em Dourados (MS), 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada de Cascavel (PR) e da 14ª Brigada de Infantaria Motorizada, com sede em São Miguel do Oeste (SC). O general de brigada Sergio Tratz, comandante da 14ª Brigada, conduziu a coordenação inicial da operação.

Em apoio às tropas, a Operação Ágata contou com o suporte de dezenas de blindados do Exército como o Cascavel, Urutu, Guarani e o Marruá, veículo tático leve, além do emprego de lanchas Guardian e de helicópteros Fennec e Pantera.

O Cascavel tem peso de 11 toneladas, é equipado com canhão de 90 mm e mira laser. O Urutu é dotado de metralhadora 12,7 mm e pode transportar até 14 soldados totalmente equipados. O Guarani traz duas opções de canhão, de 30 mm e de 105 mm em missões de reconhecimento. O helicóptero Fennec é armado com metralhadora.50, lança-foguetes e equipamento para voo noturno, enquanto o Pantera é um modelo de transporte de tropas por excelência. Com autonomia de 827 quilômetros pode transportar até 10 combatentes.

Já a lancha Guardian tem versões com metralhadora.50, lança granada de 40 mm e pode atingir até 80 km/h.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas