Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Mais 2 palestinos morrem após ataque israelense na Faixa de Gaza

Total de mortos chega a 4 após Israel atacar a Faixa de Gaza e atingir militantes do Hamas; confrontos começaram após Donald Trump reconhecer Jerusalém como capital israelense.
Por G1

Mais dois palestinos morreram neste sábado (9) em um ataque aéreo israelense na Faixa de Gaza contra alvos do movimento palestino Hamas. A Defesa de Israel disse que o bombardeio foi uma resposta a um foguete lançado pelo Hamas na sexta-feira. Os confrontos começaram após o presidente norte-americano, Donald Trump, reconhecer Jerusalém como a capital israelense nesta semana.

"Na manhã de sábado, equipes de resgate encontraram os corpos de dois palestinos que morreram em ataques aéreos israelenses na noite passada no norte da Faixa de Gaza", disse o porta-voz Ashraf Al Qedra.

Com essas duas mortes, subiu para quatro o número de palestinos mortos desde a última sexta-feira (8). Já são mais de 300 feridos desde que o grupo islâmico voltou a atacar Israel, após a decisão do governo americano, tomada na…

Operação Ágata combate entrada de armas e drogas em mil km de fronteiras

Um contingente de 3.300 homens, com tropas do Exército, Marinha e Aeronáutica realizam diversas operações de combate à entrada de armas, drogas e contrabando numa faixa de mil quilômetros de fronteira com o Paraguai e a Argentina desde Itapiranga (SC) até Caracol (MS).


Sputnik

A Operação Ágata, coordenada pela 5ª Divisão do Exército realiza diversas ações como bloqueio de rodovias e estradas vicinais, patrulhamento de rios, fiscalização de controle de produtos, além de prestar apoio às populações que recebem os contingentes. A Sputnik Brasil solicitou à 5ª Divisão do Exército entrevista com algum oficial coordenador das operações, e foi informada que não é praxe esse tipo de atendimento.


Tropas patrulham 1 mil km de fronteiras entre Paraguai e Argentina
Tropas brasileiras patrulham mil quilômetros de fronteira entre Paraguai e Argentina | Jorge Cardoso/Ministério da Defesa/Fotos Públicas

Ainda assim, a 5ª Divisão informou que as operações contaram com o apoio da 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, com sede em Dourados (MS), 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada de Cascavel (PR) e da 14ª Brigada de Infantaria Motorizada, com sede em São Miguel do Oeste (SC). O general de brigada Sergio Tratz, comandante da 14ª Brigada, conduziu a coordenação inicial da operação.

Em apoio às tropas, a Operação Ágata contou com o suporte de dezenas de blindados do Exército como o Cascavel, Urutu, Guarani e o Marruá, veículo tático leve, além do emprego de lanchas Guardian e de helicópteros Fennec e Pantera.

O Cascavel tem peso de 11 toneladas, é equipado com canhão de 90 mm e mira laser. O Urutu é dotado de metralhadora 12,7 mm e pode transportar até 14 soldados totalmente equipados. O Guarani traz duas opções de canhão, de 30 mm e de 105 mm em missões de reconhecimento. O helicóptero Fennec é armado com metralhadora.50, lança-foguetes e equipamento para voo noturno, enquanto o Pantera é um modelo de transporte de tropas por excelência. Com autonomia de 827 quilômetros pode transportar até 10 combatentes.

Já a lancha Guardian tem versões com metralhadora.50, lança granada de 40 mm e pode atingir até 80 km/h.


Postar um comentário