Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Primeiro voo do Aero L-159T2

A Aero Vodochody realizou o primeiro voo do treinador a jato L-159T2 de dois lugares em 1º de agosto. O voo de 30 minutos foi conduzido pelos pilotos de testes da empresa Vladimír Kvarda e David Jahoda.
Poder Aéreo

A Força Aérea Tcheca encomendou três exemplares em 2016, que devem ser entregues até o final deste ano. As aeronaves L-159 são operadas pelas forças aéreas tcheca e iraquiana, pela empresa americana Draken International e, no passado, foram alugadas pela Força Aérea Húngara para treinamento de pilotos.

Estas novas aeronaves de assento duplo T2 têm uma fuselagem central e dianteira recém-construída e apresentam várias melhorias significativas, principalmente em equipamentos de cockpit e sistema de combustível, e são totalmente compatíveis com o NVG. Cada cockpit é equipado com duas telas multifuncionais e um assento de ejeção VS-20 atualizado. A aeronave também pode oferecer uma capacidade de reabastecimento sob pressão. O radar GRIFO, já em uso na versão de um único assento, a…

'OTAN declara guerra psicológica à Turquia'

As relações entre Ancara e a Aliança Atlântica se agravaram após as imagens de duas personalidades turcas terem sido colocadas em um mapa como "inimigos" durante as manobras da OTAN na Noruega. Os políticos turcos explicaram à Sputnik Turquia por que é necessário rever as relações entre a Turquia e a OTAN.


Sputnik

Após o recente escândalo em que o nome do presidente Recep Tayyip Erdogan e do fundador da República da Turquia, Mustafa Kemal Ataturk, foram colocados no mapa de "posições inimigas" da aliança nos exercícios na Noruega, na sociedade turca surgiram novas discussões sobre a necessidade de rever as relações entre a Turquia e OTAN e sobre a perspectiva de saída de Ancara da aliança.


Militares turcos
Militares turcos © AFP 2017/ Ilyas Akengin

"Podemos viver sem ser membro da OTAN, se for possível, podemos sair dessa organização", disse Devlet Bahceli, do Partido do Movimento Nacionalista (MHP).

Anteriormente, o líder do partido turco Saadet (Partido da Felicidade) Temel Karamollaoglu, disse que "a Turquia, sendo o único país muçulmano na OTAN, deve rever as suas relações com a aliança".

O vice-presidente do Partido do Movimento Nacionalista Erkan Akcay comentou à Sputnik Turquia a situação atual nas relações entre Ancara e a OTAN.

Segundo ele, a Turquia tem cumprido todos os seus compromissos perante a OTAN desde 1952, quando aderiu à aliança. Sublinhando que a Turquia é um dos maiores países integrantes da OTAN e que o país respeita os objetivos e conceções da aliança, ele afirmou que "a OTAN, por sua vez, não tem comprido as suas obrigações perante a Turquia".

O político turco disse que Ancara, como membro da aliança, deve ser apoiada pela OTAN. Mas na realidade essa organização "se tornou um instrumento de provocações contra a Turquia, frequentemente agindo como o centro dessas provocações".

"Tudo isso mostra que a OTAN começa uma guerra psicológica contra a Turquia. É por isso que levantamos a questão da necessidade de integrar a OTAN. A aliança mostra uma série de traços hostis em relação à Turquia", disse Akcay, sublinhando que a aliança divulgou pelos seus canais o mapa do Tratado de Sevres (o acordo de paz celebrado entre os Aliados e o Império Otomano, assinado em 1920) que prevê a partição da Turquia.

De acordo com Hasan Bitmez, o vice-presidente do Partido Saadet, a saída da OTAN não prejudicará a Turquia. Ancara deve defender a sua segurança fora da aliança.

"As prioridades da OTAN concentram-se nos seus próprios interesses. A aliança quer usar a Turquia como um escudo para se defender das ameaças externas. É por isso que é necessário rever as relações entre a Turquia e a OTAN. A segurança da Turquia e a segurança do Ocidente são duas coisas diferentes. Devemos entender isso. A Turquia deve encontrar um novo conceito de segurança fora da OTAN", disse ele.

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, desculpou-se duas vezes pelas ofensas em relação à Turquia, e o ministro da Defesa da Noruega, Frank Bakke-Jensen, expressou seu pesar e assinalou que a pessoa que inseriu os materiais era um contratado civil e não um militar da OTAN. Contudo, Erdogan achou as desculpas insuficientes.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas