Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China tira mais um 'trunfo' aos EUA criando catapultas eletromagnéticas para porta-aviões

A China desenvolveu sua própria catapulta eletromagnética para os porta-aviões, sendo que anteriormente os EUA eram o único país que usava esse tipo de equipamento. Fazendo isso, o país asiático tem como objetivo melhorar a capacidade de combate dos seus grupos aeronavais.
Sputnik

Engenheiros chineses testaram o protótipo da catapulta eletromagnética de fabricação nacional com aviões de combate J-15, afirmou o contra-almirante chinês Yin Zhuo à edição China Daily. O alto responsável militar especificou que os aviões efetuaram "milhares de decolagens" usando a catapulta.


As catapultas dos porta-aviões são utilizadas para dar um impulso extra à aeronave (o que não é necessário se a aeronave decola do chão), devido à pequena pista de aterrissagem dos porta-aviões. Anteriormente, esse impulso era produzido por vapor.

O dispositivo eletromagnético usa um cabo de aço que liga o avião à catapulta e o faz decolar. De acordo com a mídia, o uso da catapulta foi conseguido devido ao sucess…

Preocupações dos EUA: que país vencerá na corrida às armas hipersônicas?

EUA estão exercendo todos os seus esforços para criar arma hipersônica o mais rápido possível.


Sputnik

Tal intenção é causada, segundo indica a Scout Warrior, por recente relatório da Força Aérea dos EUA onde se revela que China e Rússia já efetuam testes de armas hipersônicas. Os cientistas norte-americanos, por sua vez, durante vários anos estudam possibilidades de voos a velocidade hipersônica.


Avião hipersônico norte-americano X-51A (ilustração conceptual)
Avião hipersônico norte-americano X-51A | CC0 / Wikimedia/ US Air Force

No entanto, o cientista-chefe da Força Aérea dos EUA, Geoffrey Zacharias, indica que o progresso gradual nessa área será atingido após décadas de desenvolvimento tecnológico sustável contínuo. Ele acrescentou que o primeiro voo hipersônico de um drone de reconhecimento está previamente marcado para 2030, enquanto o veículo aéreo não tripulado hipersônico (VANT) reutilizável começará a voar após 2040.

Espera-se que até essa década, entre as armas hipersônicas, irão também funcionar VANT de reconhecimento, aviões de reconhecimento autônomo e drones de observação.

O cientista-chefe da Força Aérea acredita que as armas hipersônicas devem entrar em serviço já em 2020. Em seguida, planeja-se criar plataformas hipersônicas para VANT capazes de se mover em grandes altitudes em uma velocidade cinco vezes maior do que a do som.

Ao mesmo tempo, Rússia, China e Austrália também estão elaborando armas hipersônicas.

Quanto à Rússia, o país pode desenvolver armas hipersônicas já no início da próxima década, segundo opina o diretor-geral da corporação russa Takticheskoe Raketnoe Vooruzhenie (Corporação de Mísseis Táticos), Boris Obnosov. E a produção em massa de novo armamento pode ser lançada em 2030-2040.


Postar um comentário