Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

Rússia: caso EUA busquem pretexto para destruir Coreia do Norte, 'que o digam abertamente'

De acordo com o chanceler russo Sergei Lavrov, os EUA parecem ter querido provocar propositalmente Pyongyang para este empreender "novas ações bruscas".


Sputnik

Ele assinalou que os últimos passos por parte dos EUA revelam isso.


Lançamento do míssil balístico intercontinental Hwasong-15 que teve lugar na noite de 28 para 29 de novembro
Lançamento do míssil balístico intercontinental Hwasong-15 que teve lugar na noite de 28 para 29 de novembro © REUTERS/ KCNA

"Fica a impressão que tudo foi feito propositalmente para Kim Jong-un perder sua paciência e se atrever a empreender mais uma ação precipitada", frisou o ministro.

Ele explicou que, em setembro, os EUA sugeriram que as próximas manobras seriam realizadas somente na primavera, que Pyongyang poderia aproveitar esta pausa e também "não fazer nenhumas ações bruscas" e que essa situação poderia criar uma base para tentar estabelecer o diálogo.

"Ficamos esperançados com esta atitude, mas de súbito, em outubro, eles realizaram manobras extraordinárias, e depois [realizaram outras] em novembro, e já anunciaram que em dezembro realizarão também", afirmou o chefe do Ministério das Relações Exteriores em entrevista aos jornalistas.

Lavrov acrescentou que os estadunidenses devem "explicar a todos nós o que eles procuram atingir". Caso os EUA busquem um pretexto para a destruição da Coreia do Norte, então têm que dizer isso abertamente, acredita Lavrov. "Então decidiremos quanto à nossa reação", assinalou ele.

O chanceler russo também frisou que Moscou não apoia a ideia de reforçar a pressão sobre Pyongyang através de sanções. "Na sua essência, a pressão com sanções já se esgotou", concluiu Sergei Lavrov.

Anteriormente, o presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou que Washington imporá novas restrições a Pyongyang em resposta a mais um teste de míssil. Os EUA apelaram também ao bloqueio da Coreia do Norte.

Na madrugada desta quarta-feira (30), a Coreia do Norte lançou o míssil Hwasong-15, que percorreu uma distância de 950 quilômetros e caiu a 210 quilômetros do litoral do Japão.

Pyongyang afirmou que, a partir de agora, já possui um meio capaz de lançar uma carga nuclear até qualquer ponto dos EUA. Muitos países, incluindo a Rússia, condenaram as ações da Coreia do Norte.


Postar um comentário