Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Abbas não receberá vice-presidente dos EUA após declaração sobre Jerusalém

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, não se reunirá com o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, que visitará a região este mês, como resposta à decisão de Donald Trump de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, contra o consenso internacional e a posição histórica de Washington.


EFE

"Não haverá nenhum encontro com Pence. os EUA cruzaram uma linha vermelha que não deveriam ter cruzado", declarou o assessor diplomático presidencial Majdi al Jalidi à rádio "Palestina".


EFE/Emilio Naranjo
EFE/Emilio Naranjo

Na quinta-feira, um líder destacado do movimento nacionalista Al Fatah, Jibril Rajoub, disse que Pence não seria bem recebido na Palestina, após o anúncio de Trump, e, embora tivesse mencionado a possibilidade de não recebê-lo, isso não tinha sido confirmado até hoje.

A liderança palestina está reunida desde o início desta manhã em Ramala para concretizar as medidas que adotarão como reação à declaração de Trump da quarta-feira passada, entre as quais cogitam revisar os acordos de Oslo, dar por encerrado o papel de mediador dos EUA no processo de paz, fortalecer a reconciliação palestina e pedir à ONU que delimite as fronteiras de Jerusalém.

Pence pretendia reunir-se com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e depois transferir-se a território palestino para fazer o mesmo com Abbas, as duas visitas que acostumam realizar os representantes americanos quando vão à região.

A controversa decisão de Trump, criticada pela ONU e vários membros da comunidade internacional, gerou uma onda de protestos nos territórios palestinos que continua hoje e já custou a vida de quatro pessoas em Gaza, duas em enfrentamentos com o exército israelense, e outras duas em bombardeios sobre a Faixa, em resposta ao lançamento de foguetes contra Israel.

Outras 170 pessoas na Faixa ficaram feridas, a maioria delas com munição real na parte inferior dos seus corpos, que se somam a outros tantos feridos nos protestos da Cisjordânia, a maior parte com balas de borracha.

Para hoje foram convocadas novas manifestações de protesto em Jerusalém Oriental, Belém e outras cidades cisjordanianas.


Postar um comentário