Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Ambições e tráfico de drogas: por que Guatemala irá transferir embaixada para Jerusalém?

A Guatemala decidiu transferir a sua embaixada em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, seguindo os passos dos EUA. O especialista russo Igor Shatrov comentou essa decisão.


Sputnik

O cientista político Igor Shatrov recordou, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, que nove países, incluindo a Guatemala e as Honduras, se opuseram à resolução da ONU que condenou a transferência da embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém. Esses são dois países sul-americanos que enfrentam o tráfico de drogas e, por isso, dependem dos EUA. 


Cidade Velha de Jerusalém
Cidade velha de Jerusalém © AFP 2017/ Thomas Coex

"Os EUA fingem que estão lutando contra os cartéis de droga na América Latina. Mas até isso não fez a maioria dos países latino-americanos apoiar os EUA. Parece que o bom senso e as normas do direito internacional prevaleceram sobre as ameaças dos EUA", disse o especialista.

Para Shatrov, a razão dessa decisão da Guatemala é a pressão por parte dos EUA. É possível que os EUA lhe tenham prometido determinadas preferências econômicas, dinheiro para lutar contra o tráfico de drogas. Por outro lado, através disso o país quer aumentar a sua autoridade na arena internacional.

"Em tais situações, os países frequentemente escolhem um lado, de maneira a integrar o grupo dos países que podem influir nos processos mundiais. As ambições também devem ser tomadas em conta", opinou ele.

Segundo ele, Washington tentará alargar a lista dos países que venham a tomar a mesma decisão de mudar as suas embaixadas.

"Trump, sendo empresário, realizou uma espécie de 'teste de esforço' dos seus aliados – e muitos deles não foram aprovados, como vimos. Mas ele espera ser possível fazer um determinado trabalho diplomático para induzir os aliados a tomar essa decisão", concluiu Shatrov.

Em 25 de dezembro, o presidente da Guatemala, Jimmy Morales, confirmou a intenção de mudar a embaixada do seu país em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, seguindo os passos dos EUA. A Assembleia Geral da ONU, por sua vez, aprovou, com 128 votos a favor, 9 contra e 35 abstenções, uma resolução condenando a decisão dos EUA de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas