Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Área militar do governo brasileiro demonstra desconforto com suspensão de investigação do caso Queiroz

Integrantes da área militar do governo demostraram desconforto com o pedido de suspensão da investigação para apurar movimentações financeiras de Fabricio Queiroz consideradas "atípicas" pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).
Por Gerson Camarotti | G1

A avaliação de auxiliares do presidente Jair Bolsonaro é que essa decisão tomada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), só faz prolongar o desgaste provocado pelo caso.

O ministro Luiz Fux atendeu pedido do deputado estadual e senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), de quem Queiroz foi assessor. O Coaf apontou movimentação de R$ 1,2 milhão em uma conta bancária de Queiroz durante um ano sem que houvesse esclarecimento.

Para esses auxiliares, foi uma surpresa a solicitação feita por Flávio Bolsonaro para suspender as investigações.

“Ainda não há uma explicação convincente. Enquanto isso não acontecer, o desgaste desse caso vai continuar. Já está demorando demais”, comentou ao blog um auxilia…

Ambições e tráfico de drogas: por que Guatemala irá transferir embaixada para Jerusalém?

A Guatemala decidiu transferir a sua embaixada em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, seguindo os passos dos EUA. O especialista russo Igor Shatrov comentou essa decisão.


Sputnik

O cientista político Igor Shatrov recordou, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, que nove países, incluindo a Guatemala e as Honduras, se opuseram à resolução da ONU que condenou a transferência da embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém. Esses são dois países sul-americanos que enfrentam o tráfico de drogas e, por isso, dependem dos EUA. 


Cidade Velha de Jerusalém
Cidade velha de Jerusalém © AFP 2017/ Thomas Coex

"Os EUA fingem que estão lutando contra os cartéis de droga na América Latina. Mas até isso não fez a maioria dos países latino-americanos apoiar os EUA. Parece que o bom senso e as normas do direito internacional prevaleceram sobre as ameaças dos EUA", disse o especialista.

Para Shatrov, a razão dessa decisão da Guatemala é a pressão por parte dos EUA. É possível que os EUA lhe tenham prometido determinadas preferências econômicas, dinheiro para lutar contra o tráfico de drogas. Por outro lado, através disso o país quer aumentar a sua autoridade na arena internacional.

"Em tais situações, os países frequentemente escolhem um lado, de maneira a integrar o grupo dos países que podem influir nos processos mundiais. As ambições também devem ser tomadas em conta", opinou ele.

Segundo ele, Washington tentará alargar a lista dos países que venham a tomar a mesma decisão de mudar as suas embaixadas.

"Trump, sendo empresário, realizou uma espécie de 'teste de esforço' dos seus aliados – e muitos deles não foram aprovados, como vimos. Mas ele espera ser possível fazer um determinado trabalho diplomático para induzir os aliados a tomar essa decisão", concluiu Shatrov.

Em 25 de dezembro, o presidente da Guatemala, Jimmy Morales, confirmou a intenção de mudar a embaixada do seu país em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, seguindo os passos dos EUA. A Assembleia Geral da ONU, por sua vez, aprovou, com 128 votos a favor, 9 contra e 35 abstenções, uma resolução condenando a decisão dos EUA de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas