Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Ambições e tráfico de drogas: por que Guatemala irá transferir embaixada para Jerusalém?

A Guatemala decidiu transferir a sua embaixada em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, seguindo os passos dos EUA. O especialista russo Igor Shatrov comentou essa decisão.


Sputnik

O cientista político Igor Shatrov recordou, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, que nove países, incluindo a Guatemala e as Honduras, se opuseram à resolução da ONU que condenou a transferência da embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém. Esses são dois países sul-americanos que enfrentam o tráfico de drogas e, por isso, dependem dos EUA. 


Cidade Velha de Jerusalém
Cidade velha de Jerusalém © AFP 2017/ Thomas Coex

"Os EUA fingem que estão lutando contra os cartéis de droga na América Latina. Mas até isso não fez a maioria dos países latino-americanos apoiar os EUA. Parece que o bom senso e as normas do direito internacional prevaleceram sobre as ameaças dos EUA", disse o especialista.

Para Shatrov, a razão dessa decisão da Guatemala é a pressão por parte dos EUA. É possível que os EUA lhe tenham prometido determinadas preferências econômicas, dinheiro para lutar contra o tráfico de drogas. Por outro lado, através disso o país quer aumentar a sua autoridade na arena internacional.

"Em tais situações, os países frequentemente escolhem um lado, de maneira a integrar o grupo dos países que podem influir nos processos mundiais. As ambições também devem ser tomadas em conta", opinou ele.

Segundo ele, Washington tentará alargar a lista dos países que venham a tomar a mesma decisão de mudar as suas embaixadas.

"Trump, sendo empresário, realizou uma espécie de 'teste de esforço' dos seus aliados – e muitos deles não foram aprovados, como vimos. Mas ele espera ser possível fazer um determinado trabalho diplomático para induzir os aliados a tomar essa decisão", concluiu Shatrov.

Em 25 de dezembro, o presidente da Guatemala, Jimmy Morales, confirmou a intenção de mudar a embaixada do seu país em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, seguindo os passos dos EUA. A Assembleia Geral da ONU, por sua vez, aprovou, com 128 votos a favor, 9 contra e 35 abstenções, uma resolução condenando a decisão dos EUA de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.


Postar um comentário