Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Analista sobre meta do ataque à base russa na Síria: arruinar todo empenho de Moscou

Moscou acredita que bombardeamento, realizado por militantes na Síria, da base russa em Hmeymim tenha sido uma provocação para fracasso do Congresso do Diálogo Nacional neste país, declarou a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.


Sputnik

"Moscou está muito preocupada com provocações terroristas. Os militares russos estão bem protegidos pelo sistema padronizado do sistema de defesa antiaérea. É preocupante que os terroristas estejam adquirindo novos armamentos", sublinhou ela.


Grupo aéreo militar russo na base aérea de Hmeymim na Síria (foto de arquivo)
Grupo aéreo russo na base de Hmeymim, na Síria © Sputnik/ Dmitry Vinogradov

Em 27 de dezembro, extremistas lançaram mísseis contra o aeroporto de Latakia e contra a base russa em Hmeymim, mas os sistemas de defesa antiaérea Pantsir conseguiram repelir o ataque.

Franz Klintsevich, primeiro vice-presidente do Comitê de Defesa e Segurança do Conselho da Federação da Rússia, ressalta possível participação dos Estados Unidos no ataque terrorista.

O especialista do Instituto de Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, acrescentou que os militantes, apoiados pelos EUA, estariam tentando interromper processo transitivo rumo à regularização política na Síria:

"Tentam de todas as formas acabar com esforços russos destinados a resolver crise na Síria. […] A Rússia vem assumindo posição cada vez mais ativa e autoritária na resolução da crise síria. A plataforma de negociações em Genebra está perdendo sua importância: os grupos de oposição, apoiados pelos EUA e Arábia Saudita, têm uma posição absolutamente inaceitável e inegociável, pois avançam em um trajeto para Bashar Assad saia do poder."

O especialista acredita também que as forças de oposição estejam tentando intensivamente derrubar todas as opções para resolução do problema, propostas pela Rússia e pelos parceiros nas negociações – Turquia e Irã.


Comentários

Postagens mais visitadas