Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Ataque aéreo contra campo de prisioneiros deixa 39 mortos no Iêmen

Bombardeio foi realizado por coalizão saudita sobre a capital, Sanaa, controlada pelos rebeldes houthis.


France Presse


Ao menos 39 pessoas morreram e 90 ficaram feridas no bombardeio aéreo contra uma campo de prisioneiros dos rebeldes houthis em Sanaa, capital do Iêmen, segundo autoridades não identificadas ouvidas por agências de notícias.

Militante houthi caminha em frente a campo de prisioneiros bombardeado em Sanaa, no Iêmen (Foto: Khaled Abdullah/Reuters)
Militante houthi caminha em frente a campo de prisioneiros bombardeado em Sanaa, no Iêmen (Foto: Khaled Abdullah/Reuters)

O bombardeio foi executado por aviões da coalizão árabe internacional liderada pela Arábia Saudita.

Os ataques tinham como alvo um campo administrado pela polícia militar, vinculado aos rebeldes, que abrigava cerca de 180 detentos. Uma autoridade afirmou à Reuters que 35 corpos já foram retirados dos escombros.

Escalada do conflito

Os confrontos no Iêmen, que está em guerra civil, se intensificaram nas últimas semanas e resultaram na morte do ex-presidente do país, Ali Abdullah Saleh, no último dia 4.

Saleh foi morto pelos houthis, seus antigos aliados, após o ex-presidente romper com os rebeldes - que controlam a capital desde 2015 - e admitir conversas com a coalizão saudita.

Desde a intervenção saudita, que apoia o atual presidente, Abdrabbuh Mansur Hadi, mais de 8.000 pessoas foram mortas em combates, incluindo milhares de civis, segundo a ONU. Os bombardeios aéreos apoiados por Riad são alvo de críticas de diversas organizações internacionais.

O conflito, somado a um bloqueio imposto pelos sauditas, tem causado uma das maiores emergências humanitárias do mundo, incluindo um surto de cólera que pode ter matado 2.000 pessoas desde abril.

Postar um comentário