Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa russa: avião Il-20 foi derrubado por mísseis sírios S-200

De acordo com o ministério russo, o sistema de defesa aérea sírio tentava atacar um avião de Israel. No entanto, a tripulação israelense fez uma manobra especial para se proteger, e o míssil acabou atingindo acidentalmente o avião russo Il-20.
Sputnik

O avião Il-20 desapareceu dos radares em 17 de setembro, por volta das 23h do horário de Moscou, (17h em Brasília) durante o retorno planejado à base aérea de Hmeymim, acima do território do mar Mediterrâneo, a 35 quilômetros da costa da Síria, informou o comunicado do Ministério da Defesa da Rússia. O represente oficial da Defesa russa, Igor Konashenkov sublinhou que os aviões israelenses "propositalmente criaram uma situação perigosa para navios e aviões nessa região".

Na opinião dele, para evitar o ataque sírio, a tripulação israelense acabou tornando o Ilyushin-20 alvo de ataque.

"Ao tentarem proteger-se com ajuda do avião russo, os pilotos israelenses o puseram debaixo de fogo do sistema de defesa antiaérea da Síria"…

Ataques aéreos da coalizão árabe matam 21 civis no Iêmen

Pelo menos 21 civis morreram em ataques aéreos perpetrados nas últimas 24 horas pela coalizão militar liderada pela Arábia Saudita na província de Al Hudaydah, no oeste do Iêmen, informaram nesta quarta-feira à Agência Efe fontes médicas.


EFE

Um dos bombardeios aconteceu ontem à noite contra uma casa na zona litorânea de Al Tahita e causou a morte de 16 pessoas pertencentes a uma mesma família.


Resultado de imagem para bombardeio Al Hudaydah
Bombardeio da coalizão da Arábia Saudita no Iêmen | Reprodução

Por outro lado, um homem, sua mulher e seus três filhos morreram hoje em outro ataque dos aviões da aliança contra sua casa, situada na mesma região, segundo as fontes.

Em Al Tahita e seus arredores atualmente se desenvolvem combates entre os rebeldes houtis e as forças do presidente iemenita, Abd Rabbuh Mansur Al-Hadi, que recebe o apoio aéreo da coalizão liderada por Riad, onde o governante se encontra exilado.

O conflito armado entre os rebeldes e as forças de Hadi se agravou desde a intervenção da coalizão árabe em março de 2015, devido aos bombardeios e ao bloqueio aéreo, marítimo e terrestre que o comando da aliança de países sunitas impõe sobre o Iêmen, o que dificulta a chegada de provisões básicas e de ajuda humanitária.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas