Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

No decorrer da operação Ramo de Oliveira será criada zona de segurança na Síria

O primeiro-ministro turco Binali Yildirim anunciou a criação, durante a operação militar turca na província síria de Afrin, de uma faixa de segurança de 30 quilômetros.
Sputnik

O premiê, citado pela emissora Haberturk, adiantou também que a operação seria efetuada em quatro etapas.


"A operação vai decorrer em 4 etapas com o objetivo de criar uma faixa de segurança de 30 quilômetros, que será limpa de terroristas", disse o político, citado pela emissora NTV.

Yildirim adiantou que até agora não há mortos ou feridos entre o contingente turco que realiza a operação.

Mais cedo, o Estado-Maior da Turquia anunciou o início da operação "Ramo de Oliveira" contra os grupos curdos na província síria de Afrin, que começou precisamente às 14h00 locais (12h00 no horário de Brasília). De acordo com a entidade militar, a operação conta com a participação de 72 aviões, enquanto 108 dos 113 alvos planejados já foram eliminados. Há poucos dias, o premiê turco, Binali Yildirim, havia avanç…

Chancelaria: Turquia não vê mais governo sírio como ameaça

O Ministério das Relações Exteriores da Turquia revelou a postura do país quanto ao governo sírio à luz da última derrota do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) e da tomada de controle na maior parte do território pelas forças governamentais da Síria.


Sputnik

O ministro das Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, ressaltou que seu país está disposto a coordenar com a Rússia uma operação contra curdos sírios caso seja necessário.


Ministro de Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu
Ministro das Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu © AFP 2017/ ADEM ALTAN

"No momento, o regime sírio não representa ameaça para nós. Houve um caso quando elas [forças governamentais] derrubaram nosso avião, mas a situação mudou. Hoje em dia somente o Partido de União Democrática (PYD) e Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) representam ameaça. Caso decidamos executar uma operação, preliminarmente vamos concordá-la com nossos aliados, com a Rússia", afirmou Mevlut Cavusoglu durante um programa do canal NTV.

O ministro explicou que a Turquia não é contra a participação de curdos nas negociações de paz na Síria, adicionando que entregou à Rússia uma lista de grupos curdos com quem Ancara está disposta a colaborar.

Anteriormente, Ancara se expressou contra a participação do Congresso do Diálogo Nacional da Síria do partido curdo PYD e YPG (Unidades de Proteção Popular), considerados pela Turquia como organizações terroristas, relacionadas ao PKK.

"Há vários grupos curdos na Síria. Mantemos contato com eles. Não somos contra curdos, ao contrário, apoiamo-los. Mas não se trata de terroristas. […] Além do YPG, há vários grupos curdos, e já entregamos esta lista [à Rússia]. O Irã também é contra o YPG, já que para o ele o YPG e PKK são a mesma coisa. Mesmo que a Rússia não apoie nossa postura completamente, pelo menos a respeita", explicou o ministro turco.

As declarações turcas sucedem informações de que os EUA teriam mudado de posição em relação ao governo do presidente sírio, Bashar Assad.


Postar um comentário