Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Vídeo mostra momento do encontro do submarino argentino Ara San Juan

Profissionais que operavam um dos veículos submarinos foram os primeiros a ver em tela as imagens da embarcação, que estava desaparecida desde 15 de novembro do ano passado. Submarino foi localizado a 907 metros de profundidade.
Por G1

Um vídeo divulgado neste domingo (18) mostra as primeiras imagens do submarino Ara San Juan, no momento em que profissionais da empresa Ocean Infinity o localizaram. O encontro foi anunciado pela Marinha da Argentina na madrugada de sábado.


No vídeo é possível ver quando a equipe que opera um dos veículos que fazia as buscas vê a embarcação pela primeira vez em uma região de cânions (espécie de rios submarinos), a 907 metros de profundidade, e a 600 km da cidade de Comodoro Rivadavia.

O Ara San Juan desapareceu em 15 de novembro de 2017, com 44 pessoas a bordo, e sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma á…

'Contradições entre Trump e Tillerson enfraquecem posição dos EUA contra Coreia do Norte'

A fala do ex-secretário de Estado norte-americano Rex Tillerson na terça-feira pode até dar a entender que os EUA estão prontos para iniciar negociações com a Coreia do Norte sem condições prévias, mas não é bem assim, argumenta especialista.


Sputnik

Durante uma entrevista coletiva de quarta-feira, a porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Heather Nauert, disse a jornalistas: "(…) Estamos dispostos a sentar e conversar com eles, mas agora é não o momento certo. O Secretário não está criando nenhuma nova política. Nossa política permanece exatamente como era".


O presidente dos EUA, Donald Trump, fala ao lado do secretário de Estado, Rex Tillerson, durante uma reunião bilateral com o presidente da China, Xi Jinping, na propriedade de Trump, Mar-a-Lago, em Palm Beach, Flórida.
Rex Tillerson e Donald Trump © REUTERS/ Carlos Barria

Autor do recém-lançado livro "The US vs China: The New Cold War of Asia?", Jude Woodward explicou à Rádio Sputnik como a mudança dos EUA na retórica norte-coreana retrata a instabilidade da política externa dos EUA. O especialista indicou que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, expressou repetidamente o ceticismo sobre a negociação com a Coreia do Norte.

"Trump não conseguiu construir uma política externa estável, com as pessoas sendo deslocadas de uma posição para outra. Eu acho que esta não é a primeira vez que Tillerson disse o que pensa ser necessário quanto à Coreia do Norte. O [ex-estragista da Casa Branca] Steve Bannon também disse não apoiar uma solução militar com a Coreia do Norte e defendeu negociações", explicou Woodward.

China no centro das atenções

A evolução das relações China-Coreia do Sul também é ditada pela realidade da questão norte-coreana.

Também à Rádio Sputnik, o especialista em China, Keith Bennett debateu a chegada do presidente sul-coreano Moon Jae-in em Pequim em uma missão para aprofundar as relações econômicas entre os dois países depois que as relações terem estremecido com a instalação do controverso sistema antimísseis THAAD em território sul-coreano.

"A questão THAAD é percebida pela China como uma ameaça à sua própria segurança, ainda maior que a ameaça da Coreia do Norte. Essa questão não desapareceu. Eles [Moon e Xi Jinping] concordaram em tentar avançar, mas desde então tem havido um certo endurecimento da posição chinesa. O que os chineses esperavam da Coreia do Sul era o comprometimento de Moon em não expandir a instalação do sistema THAAD, que Seul não se unisse a nenhum sistema regional de defesa antimíssil e que não haja uma aliança militar entre os EUA, a Coreia do Sul e o Japão", explicou Bennett.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas