Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Coreia do Norte ataca Trump por sua decisão sobre Jerusalém

A Coreia do Norte criticou neste sábado o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por sua decisão de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, e qualificou esta medida como "desafio aberto e insulto à legitimidade internacional".


EFE

Pyongyang avaliou assim a medida anunciada nesta semana pelo presidente americano e uniu-se às críticas da maior parte da comunidade internacional, através de uma declaração do porta-voz do Ministério de Relações Exteriores norte-coreano.


Resultado de imagem para kim jong un
Kim Jong-un | Reprodução

O reconhecimento de Jerusalém como capital israelense e a transferência a esta cidade da embaixada americana nesse país "merecem a condenação e a rejeição global, já que representam um desafio aberto e um insulto à legitimidade internacional e à vontade unânime da sociedade internacional", declarou o porta-voz.

A declaração, divulgada pela agência estatal norte-coreana "KCNA", se refere a Jerusalém como "Quds", o nome em árabe da cidade.

O status de Jerusalém "é um assunto muito sensível que deve ser resolvido de uma forma justa que permita que o povo palestino recupere seus direitos, bem como alcançar uma solução duradoura e pactuada ao problema do Oriente Médio", acrescenta o texto.

O porta-voz norte-coreano também salienta que a decisão "não é tão surpreendente", já que foi tomada por um "velho senil" que anteriormente pediu "a destruição total de um Estado soberano em um fórum sagrado das Nações Unidas".

Pyongyang voltou a recorrer assim a um insulto que já empregou contra Trump depois de seu discurso de setembro perante a Assembleia Geral da ONU, durante o auge da tensão entre ambos países pela troca de ameaças belicistas e as exibições de poderio militar.

A decisão de Trump sobre Jerusalém "permitirá ao mundo discernir melhor quem é o destruidor da paz e a segurança global, e qual é o verdadeiro lado dos 'hooligans' da sociedade internacional", conclui a declaração do porta-voz norte-coreano.

Após Trump anunciar que seu país reconhecia Jerusalém como capital de Israel, os Estados Unidos convocaram uma reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU que aconteceu ontem para analisar a decisão, que foi apoiada apenas por Washington neste órgão internacional.


Postar um comentário