Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Coreia do Norte justificou seu último lançamento de míssil: a culpa é dos EUA

A Coreia do Norte afirmou que as ameaças dos EUA e sua política na região provocaram o último lançamento de míssil por Pyongyang, disse o vice-presidente do Comitê de Relações Exteriores da câmara baixa russa, Aleksey Chepa, que visitou a capital norte-coreana.


Sputnik

"A Coreia do Norte justificou [o lançamento de míssil] em primeiro lugar com as seguidas ameaças dos Estados Unidos", disse Chepa à agência Sputnik.



O porta-aviões norte-americano USS Carl Vinson chega para um exercício militar conjunto anual chamado Foal Eagle entre a Coreia do Sul e os EUA, no porto de Busan, Coreia do Sul, 15 de março de 2017.
Porta-aviões dos EUA USS Carl Vinson em exercício militar com a Coreia do Sul © REUTERS/ Yonhap

O deputado avaliou que durante os 75 dias após o lançamento anterior de míssil norte-coreano, os EUA ampliaram a sua presença militar na região.

"São alguns porta-aviões, cerca de 300 aeronaves e milhares de militares, que atuam com apoio da Coreia do Sul e do Japão", explicou Chepa.

O parlamentar fez parte de uma delegação oficial da Duma russa, que visitou Pyongyang entre os dias 27 de novembro e 1 de dezembro.

Um dos coordenadores do grupo parlamentar russo, Kazbek Taisaev, acrescentou aos jornalistas que a Coreia do Norte somente confia na Rússia para iniciar as possíveis negociações de normalização da crise na região.

No entanto, os parlamentares russos condenaram o lançamento de míssil por Pyongyang e manifestaram a esperança de que a comunidade internacional encontre uma solução para a crise na península da Coreia.

No dia 29 de novembro, Coreia do Norte anunciou ter lançado com sucesso um novo tipo de míssil balístico intercontinental.


Postar um comentário