Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

Coreia do Norte justificou seu último lançamento de míssil: a culpa é dos EUA

A Coreia do Norte afirmou que as ameaças dos EUA e sua política na região provocaram o último lançamento de míssil por Pyongyang, disse o vice-presidente do Comitê de Relações Exteriores da câmara baixa russa, Aleksey Chepa, que visitou a capital norte-coreana.


Sputnik

"A Coreia do Norte justificou [o lançamento de míssil] em primeiro lugar com as seguidas ameaças dos Estados Unidos", disse Chepa à agência Sputnik.



O porta-aviões norte-americano USS Carl Vinson chega para um exercício militar conjunto anual chamado Foal Eagle entre a Coreia do Sul e os EUA, no porto de Busan, Coreia do Sul, 15 de março de 2017.
Porta-aviões dos EUA USS Carl Vinson em exercício militar com a Coreia do Sul © REUTERS/ Yonhap

O deputado avaliou que durante os 75 dias após o lançamento anterior de míssil norte-coreano, os EUA ampliaram a sua presença militar na região.

"São alguns porta-aviões, cerca de 300 aeronaves e milhares de militares, que atuam com apoio da Coreia do Sul e do Japão", explicou Chepa.

O parlamentar fez parte de uma delegação oficial da Duma russa, que visitou Pyongyang entre os dias 27 de novembro e 1 de dezembro.

Um dos coordenadores do grupo parlamentar russo, Kazbek Taisaev, acrescentou aos jornalistas que a Coreia do Norte somente confia na Rússia para iniciar as possíveis negociações de normalização da crise na região.

No entanto, os parlamentares russos condenaram o lançamento de míssil por Pyongyang e manifestaram a esperança de que a comunidade internacional encontre uma solução para a crise na península da Coreia.

No dia 29 de novembro, Coreia do Norte anunciou ter lançado com sucesso um novo tipo de míssil balístico intercontinental.


Postar um comentário