Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

'Destruído em 40 milissegundos': nova hipótese sobre destino do submarino San Juan

Um ex-militar norte-americano, especializado em sinais acústicos, propôs uma nova hipótese sobre a explosão do submarino argentino ARA San Juan, desaparecido desde meados de novembro. O cenário descreve um evento súbito que teria acabado com a tripulação de forma instantânea.


Sputnik

Com base nos dados divulgados pela Organização do Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares que detectou a anomalia acústica, Bruce Rule, o ex-especialista da Marinha norte-americana determinou que a implosão do submarino liberou uma quantidade de energia superior à explosão de 5,5 toneladas de dinamite, segundo o canal RT.


Desenho do submarino argentino ARA San Juan na bandeira nacional da Argentina
© REUTERS/ Marcos Brindicci

Segundo Rule, quando o submarino se encontrava a 390 metros debaixo da água ocorreu um evento que danificou o casco interior que protegia o submarino da pressão do mar. Como a pressão circundante era de 39 atm, a água entrou no interior do submersível a uma velocidade de aproximadamente 2,9 mil quilômetros por hora.

Em um fórum, o especialista indicou que "todo o casco interno foi completamente destruído em aproximadamente 40 milissegundos", especificando que isso equivale à metade do tempo mínimo necessário para o reconhecimento cognitivo de um evento.

"Não se afogaram nem passaram dor, a morte foi instantânea", afirmou, sublinhando que o submersível caiu ao fundo do mar a uma velocidade entre 18 e 24 quilômetros por hora.

A marinha da Argentina foi cautelosa em relação aos cálculos do especialista estadunidense.

"Temos isso em conta, como os outros indícios que recebemos […] não descartamos nada, mas é a análise de um especialista em acústica com base no primeiro relatório", comentou o porta-voz da marinha argentina, Enrique Balbi, segundo o canal Todo Noticias.

O submarino da Marinha da Argentina ARA San Juan desapareceu em 15 de novembro. Durante a última ligação, a tripulação do navio informou sobre um acidente. A bordo se encontravam 44 tripulantes, inclusive a primeira submarinista argentina, Eliana Krawczyk. A embarcação foi construída na Alemanha e começou a fazer parte da Marinha da Argentina em 1985.


Postar um comentário