Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

'É uma loucura': especialista sobre o plano de ataque dos EUA à Coreia do Norte

De acordo com a mídia, os EUA teriam desenvolvido o plano de ataque à Coreia do Norte. O especialista em ciências políticas, Boris Mezhuev, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, assinalou que as consequências da realização de tal plano são completamente imprevisíveis.


Sputnik

A mídia comunicou que a Casa Branca teria iniciado a elaboração de um cenário militar, receando que os métodos diplomáticos possam falhar. Segundo os EUA, o ataque contra a Coreia do Norte vai demonstrar ao líder norte-coreano, Kim Jong-un, que Washington encara seriamente a questão do programa nuclear e de mísseis de Pyongyang.


Lançamento do sistema de míssil Hyunmoo II durante manobras conjuntas da Coreia do Sul e dos EUA em local desconhecido, julho de 2017
Lançamento do sistema de mísseis Hyunmoo II da Coreia do Sul © AP Photo/ Ministério da Defesa da Coreia do Sul

No fim de novembro, a Coreia do Norte anunciou que seu novo míssil é capaz de atacar qualquer ponto do território dos EUA.

O especialista em ciências políticas, Boris Mezhuev, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, qualificou os planos dos EUA como loucos.

"Acredito que o conflito seja real. Mas assumo que haja estratégias de suavização. Uma delas é essa: a Coreia do Norte é avisada que, caso ela não utilize arma nuclear contra territórios da Coreia do Sul ou contra Guam, ou seja, não ultrapasse limites racionais, então, a resposta pode ser limitada somente aos ataques a objetos militares, sem atingir uma grande quantidade de civis. […] Mas, é tudo muito instável. Caso o conflito venha à tona, muito facilmente ele pode se tornar em um conflito nuclear com consequências imprevisíveis. […] É tudo uma loucura, sem dúvidas. Pois, se os EUA não tivessem provocado e tivessem se recusado a realizar manobras conjuntas com a Coreia do Sul, então, provavelmente, nada disso teria acontecido", assinalou Boris Mezhuev.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas