Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

'É uma loucura': especialista sobre o plano de ataque dos EUA à Coreia do Norte

De acordo com a mídia, os EUA teriam desenvolvido o plano de ataque à Coreia do Norte. O especialista em ciências políticas, Boris Mezhuev, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, assinalou que as consequências da realização de tal plano são completamente imprevisíveis.


Sputnik

A mídia comunicou que a Casa Branca teria iniciado a elaboração de um cenário militar, receando que os métodos diplomáticos possam falhar. Segundo os EUA, o ataque contra a Coreia do Norte vai demonstrar ao líder norte-coreano, Kim Jong-un, que Washington encara seriamente a questão do programa nuclear e de mísseis de Pyongyang.


Lançamento do sistema de míssil Hyunmoo II durante manobras conjuntas da Coreia do Sul e dos EUA em local desconhecido, julho de 2017
Lançamento do sistema de mísseis Hyunmoo II da Coreia do Sul © AP Photo/ Ministério da Defesa da Coreia do Sul

No fim de novembro, a Coreia do Norte anunciou que seu novo míssil é capaz de atacar qualquer ponto do território dos EUA.

O especialista em ciências políticas, Boris Mezhuev, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, qualificou os planos dos EUA como loucos.

"Acredito que o conflito seja real. Mas assumo que haja estratégias de suavização. Uma delas é essa: a Coreia do Norte é avisada que, caso ela não utilize arma nuclear contra territórios da Coreia do Sul ou contra Guam, ou seja, não ultrapasse limites racionais, então, a resposta pode ser limitada somente aos ataques a objetos militares, sem atingir uma grande quantidade de civis. […] Mas, é tudo muito instável. Caso o conflito venha à tona, muito facilmente ele pode se tornar em um conflito nuclear com consequências imprevisíveis. […] É tudo uma loucura, sem dúvidas. Pois, se os EUA não tivessem provocado e tivessem se recusado a realizar manobras conjuntas com a Coreia do Sul, então, provavelmente, nada disso teria acontecido", assinalou Boris Mezhuev.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas