Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Brasil comemora 20 anos do fim do conflito entre Peru e Equador

O Brasil irá comemorar nesta terça-feira os 20 anos do fim dos conflitos na fronteira entre Peru e Equador, que se prolongaram por quase 170 anos e que causaram várias guerras, tensões e enfrentamentos entre ambos os países.
EFE

Brasília - O Acordo Global e Definitivo de Paz entre Equador e Peru foi assinado em 26 de outubro de 1998 em Brasília, que voltará a ser palco de um encontro entre representantes dessas duas nações, mas agora para reafirmar "o valor e a eficácia da diplomacia e da solução pacífica de controvérsias", diz o comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

A cerimônia contará com a participação do equatoriano José Ayala Lasso e do peruano Fernando de Trazegnies Granda, que eram os chanceleres de seus países na ocasião da assinatura e tiveram participação ativa nas negociações, e será presidido pelo ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes.

Segundo a nota oficial, a comemoração "também evidencia, uma vez mais, a capacidade regional de responder e…

Erdogan adverte que decisão dos EUA sobre Jerusalém beneficiará ao terrorismo

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, advertiu nesta quarta-feira que a transferência da embaixada americana em Israel de Tel Aviv para Jerusalém "só jogará gasolina no fogo dos terroristas".


EFE

"Quero fazer uma chamada a todo o mundo: é preciso abster-se de passos que mudem o status jurídico de Jerusalém. Um passo assim só jogará gasolina no fogo dos terroristas", disse Erdogan.


O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan e o rei Abdala II da Jordânia se pronunciam sobre a decisão de Trump de reconhecer Jerusalém como a capital israelense.  EFE/Presidência da Turquia
O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan e o rei Abdala II da Jordânia se pronunciam sobre a decisão de Trump de reconhecer Jerusalém como a capital israelense. EFE/Presidência da Turquia

O presidente turco fez estas declarações durante um pronunciamento à imprensa junto ao rei Abdullah II da Jordânia, que acrescentou que "estas posturas não ajudam na luta antiterrorista", segundo informou a emissora turca de notícias "NTV".

"No assunto da sacralidade e da conservação histórica de Jerusalém pensamos o mesmo que a Jordânia", declarou Erdogan.

"Um passo em falso a respeito do status de Jerusalém provocaria uma reação do mundo islâmico. Dinamitaria os fundamentos da paz. Atiçaria as chamas de novos combates", alertou.

"Ninguém tem direito de brincar com o destino de bilhões de pessoas apenas por capricho pessoal", ressaltou o presidente turco.

"A estabilidade no Oriente Médio ganhará forma por meio de uma Palestina independente com capital em Jerusalém Oriental", completou Erdogan.

Por sua parte, o rei Abdullah II também destacou que "não há alternativa à solução dos dois Estados".

"A estabilidade de toda a região depende disto. Ontem estive em contato com o presidente americano. Expressamos nossas preocupações com a decisão a respeito do Jerusalém. Temos que trabalhar rápido. Os palestinos e os israelenses devem assinar um acordo de paz entre eles", frisou o monarca.

Abdullah da Jordânia, que chegou de manhã a Ancara e jantará com Erdogan esta noite, confirmou que na próxima quarta-feira voltará à Turquia para a cúpula extraordinária da Organização para a Cooperação Islâmica, convocada hoje por Erdogan.

A comunidade internacional não reconhece Jerusalém como capital de Israel nem a anexação da sua parte oriental, ocupada em 1967.

Israel considera essa cidade como sua capital "eterna", mas os palestinos querem que Jerusalém Oriental seja a capital do Estado que tanto aspiram.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas