Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: presidente ucraniano mata sua indústria ao introduzir novas sanções contra Rússia

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, assinou um decreto sobre as sanções contra a Rússia adotadas pelo Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia. O especialista Eduard Popov falou com a Sputnik e indicou qual o principal objetivo perseguido pelo governo ucraniano com tal iniciativa.
Sputnik

Em 2 de maio, o Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia ampliou as medidas restritivas em relação a diversas pessoas físicas e jurídicas russas, bem como prolongou a vigência das sanções introduzidas anteriormente.

Segundo informou a assessoria de imprensa da entidade, as sanções são aplicadas a pessoas "relacionadas com a agressão no ciberespaço e no campo informacional" contra a Ucrânia, "ações criminosas" contra os cidadãos ucranianos detidos na Rússia, bem como aos deputados da Duma de Estado e do Conselho da Federação da Rússia.

O diretor do Centro de Cooperação Pública e Informativa "Europa", Eduardo Popov, disse ao serviço russo da Rádio Sp…

Erdogan engrossa contestação à decisão de Trump sobre Jerusalém

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, se juntou ao coro de críticas ao seu homólogo norte-americano, Donald Trump, por este reconhecer Jerusalém como capital de Israel.


Sputnik

"É impossível entender o que [Donald] Trump quis dizer com esta decisão [sobre Jerusalém], o que ele conseguiu fazer agora é incendiar toda a região", disse ele. O presidente turco sublinhou que "Jerusalém é um lugar sagrado para muçulmanos, judeus e cristãos".


Resultado de imagem para recep tayyip erdogan
O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan | Reprodução

"Os líderes devem estabelecer a paz e não desencadear conflitos", acrescentou ele.

Erdogan lembrou que "os EUA espezinharam as resoluções da ONU sobre Jerusalém de 1980, que até agora nunca foram violadas". Segundo o presidente da Turquia, ele prossegue conversações telefônicas sobre este assunto com os líderes dos países muçulmanos, ocidentais e o Papa Francisco.

"Falarei sobre isso com o presidente [russo Vladimir] Putin e é um tema que diz respeito a todos, não apenas aos muçulmanos", concluiu ele.

Vários países da África, América, Ásia e Europa, bem como diferentes organizações internacionais, já criticaram a decisão do governo norte-americano.

Ontem, o presidente dos EUA, Donald Trump, declarou que reconhece Jerusalém como capital de Israel. Trump assinou um documento autorizando a transferência da Embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém.


Postar um comentário