Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Especialista militar revela a que se destinam bases russas na Síria

A Rússia começa formando um agrupamento permanente que ficará nas bases militares russas na Síria. Viktor Litovkin, especialista e militar aposentado explica que tarefas desempenharão os militares russos na Síria.


Sputnik

Foi anunciado que a Rússia estará presente na Síria em duas bases militares: a base aérea de Hmeymim e a base naval de Tartus, onde podem permanecer até 11 navios de guerra, inclusive embarcações de propulsão nuclear.


Militares russos na base aérea em Hmeymim, na Síria
Militares russos na base aérea Hmeymim, Síria © Sputnik/ Dmitry Vinogradov

Segundo explicou o especialista ao serviço russo da Rádio Sputnik, os aviões que ficarão na base de Hmeymim continuarão apoiando o exército sírio para o ajudar a eliminar os últimos focos de resistência do Daesh (grupo terrorista, proibido na Rússia).

"Estamos na Síria com um contingente limitado, mas mesmo assim ele é capaz de realizar as tarefas colocadas pelas autoridades do país", frisou Litovkin.

Ele sublinhou que as autoridades sírias tinham solicitado à Rússia ajuda na luta antiterrorista e que o país dispõe de um mandato do Conselho de Segurança da ONU.

"Não viemos simplesmente por vir. Não somos agressores ou ocupantes em território sírio", resumiu Litovkin, lembrando que os EUA não dispõem de documentos que legalizem suas ações na Síria, mas que mesmo assim não querem cessar sua presença no país árabe.


Postar um comentário