Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

EUA aceleram corrida armamentista acusando Rússia de violação do Tratado INF

Washington ameaçou que iniciará o desenvolvimento de novas armas próprias se Moscou "continuar violando" o Tratado INF. A parte russa negou as acusações e avisou que desenvolverá "armas ainda mais potentes" no caso da saída dos EUA do Tratado, informa o Daily Express.


Sputnik

As acusações do Kremlin, por parte do presidente norte-americano Donald Trump, de violações do Tratado INF deram impulso à "nova onda da corrida armamentista" entre a Rússia e os EUA. Washington considera o desenvolvimento das próprias armas devido ao fato de que Moscou "continua violando o acordo", informa o Daily Express.


Míssil de Ataque Marítimo é lançado a partir do navio militar norte-americano USS Coronado (LCS-4), Califórnia, EUA, setembro de 2014 (foto de arquivo)
Míssil de Ataque Marítimo lançado a partir do USS Coronado (LCS-4) © Foto: Wikipedia/Marinha dos EUA/ Zachary D. Bell

Um representante dos EUA declarou que Trump quer manter o Tratado em vigor, mas não pode permitir "as violações contínuas" por parte da Rússia. "Decidimos recusar a variante de compromisso em que [a parte russa] conseguiu atuar ao mesmo tempo em campos diferentes", indiciou um oficial norte-americano.

O Tratado INF foi celebrado por Mikhail Gorbachev e Ronald Reagan em 1987. As partes do Tratado se comprometeram em não desenvolver, testar e instalar os mísseis de cruzeiro e balísticos com alcance operacional de 500 a 5.500 km.

Ainda no início da primavera, o vice-chefe do Estado-maior Conjunto dos EUA, general Paul Silva, comunicou ao Congresso que a Rússia possui um novo míssil de cruzeiro que viola o Tratado INF. Naquele momento os conselheiros de Trump decidiram não tomar decisões que poderiam ser classificadas como violações do Tratado. Mas depois, o Pentágono decidiu modificar as armas existentes e desenvolver novos sistemas, informa o Daily Express.

O vice-ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Ryabkov, negou as acusações dos EUA classificando-as como "infundadas". Ele declarou que Moscou está pronta para o diálogo com Washington, mas não aceitará as tentativas de falar com uma "linguagem de ultimatos, pressão politico-militar e de sanções".

Por seu lado, o chefe do Comitê do Conselho da Federação nas questões da defesa e segurança, Viktor Bondarev, advertiu que a Rússia preparará "uma arma ainda mais potente" se os EUA saírem do Tratado.

Os representantes de Moscou acreditam que a suspensão do Tratado INF pode causar um brusco crescimento da ameaça na segurança global. Além disso, o outro acordo – Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start III em inglês) também será questionado.


Comentários

Postagens mais visitadas