Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

EUA divulgam planos de 'preparação para uma guerra nuclear' da Rússia

Os militares russos planejam expandir e modernizar o seu arsenal de armas nucleares táticas e o desenvolvimento da situação mostra que o país se prepara para uma guerra nuclear, comunicou a The Washington Free Beacon, citando as fontes anônimas de Washington.


Sputnik

A The Washington Free Beacon afirma que o aumento do número de ogivas nucleares de 7 para 8 mil deve ser realizado através do deslocamento de projéteis nucleares de baixa potência da nova geração e serão concluídos até 2026.


Complexo de míssil balístico nuclear intercontinental Topol
Míssil balístico intercontinental Topol © Sputnik/ Aleksandr Kryazhev

Em particular, planeja-se a criação de projéteis nucleares compactos de potência de 10 a 1000 toneladas de TNT, destinados particularmente para serem instalados nos mísseis de cruzeiro e satélites espaciais.

"Tal modernização nuclear parece ameaçadora, porque é ligada com a nova doutrina estratégica de Moscou, que exige a aplicação operativa das armas nucleares durante qualquer conflito comum", indica a edição.

A modernização também afetará várias instalações subterrâneas do comando nuclear, destinadas para proteger os chefes militares e civis em caso de uma guerra nuclear. Neste contexto, a edição lembra sobre tais instalações como o bunker subterrâneo do sistema Perimetr das Forças Estratégicas de Mísseis, que se localiza na área montanhosa da parte norte dos Montes Urais, o bunker Beloretsk-16 da parte sul dos Montes Urais e também os abrigos em Voronovo e Sharapovo que ficam perto de Moscou.

A edição indica que tais iniciativas são realizadas contornando os acordos existentes entre a Rússia e os EUA, principalmente do Tratado INF. O relatório, que agora está pronto e se dedica às armas nucleares russas, será apresentado para o presidente dos EUA, Donald Trump, em janeiro de 2018.


Comentários

Postagens mais visitadas