Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Helicópteros americanos estariam resgatando terroristas do Daesh de prisão síria

Os helicópteros norte-americanos tiraram terroristas do Daesh de uma prisão na cidade síria de Al-Hasakah, informou uma fonte local à Sputnik.
Sputnik

"Habitantes locais viram do telhado helicópteros estadunidenses aterrissando no território de uma prisão local, controlada pelos curdos, para tirar de lá terroristas do Daesh", afirmou a fonte — que preferiu não ser identificada — em Al-Hasakah à Sputnik Árabe.


Além disso, há informações que os militares norte-americanos estariam trazendo para a prisão várias munições, porque planejam criar no lugar uma base.

Anteriormente, a mídia iraquiana comunicou que helicópteros dos EUA tinham transportado membros do grupo Daesh (proibido na Rússia) da prisão central de Al-Hasakah para sua base perto do povoado Abu Hajar, no leste da Síria.

De acordo com fontes locais, na prisão de Al-Hasakah, muito bem fortificada, estariam encarcerados cerca de 100 terroristas, a maioria de cidadania estrangeira. Especialistas sírios acham que são os mesmos…

EUA e Coreia do Sul realizam maior manobra aérea conjunta

Exercício contará com mais de 230 aviões dos dois países e simulará ataques a instalações nucleares norte-coreanas. Pyongyang critica manobra e diz que Washington e Seul estão sempre "prontos para guerra".


Deutsch Welle

A Coreia do Norte disse neste domingo (03/12) que os Estados Unidos e a Coreia do Sul estão sempre "prontos para guerra", na véspera do maior exercício aéreo conjunto entre americanos e sul-coreanos até ao momento.


Südkorea USA Militärübung Foal Eagle (AFP/Getty Images)
Exercício aéreo conjunto entre Seul e Washington nunca contou com tantas aeronaves

A manobra "Vigilant Ace" tem início nesta segunda-feira e vai durar cinco dias. Ela contará com a participação de mais de 230 aviões dos dois países, incluindo 12 caças com revestimento "invisível" dos EUA (seis F-22 e seis F-35), além de outros seis EA-18G Growler, caças-bombardeiros projetados para a chamada "guerra eletrônica".

Este exercício conjunto acontece pouco tempo depois do lançamento pela Coreia do Norte de um míssil balístico intercontinental, que poderia chegar aos Estados Unidos.

Apesar de a manobra já haver sido planejada antes do míssil lançado pela Coreia do Norte na última quarta-feira, o Pentágono não costuma enviar tantos aviões.

A operação faz parte do acordo firmado em outubro entre Washington e Seul para ampliar a "presença rotacional" de ativos estratégicos americanos na península coreana. O objetivo é pressionar Pyongyang para que o regime de Kim Jong-un volte à mesa de negociações e desista de transformar o país numa potência nuclear.

Durante os exercícios, os aliados simularão ataques contra falsas instalações nucleares norte-coreanas e contra plataformas que seriam usadas por Pyongyang para lançar seus mísseis.

Corrida contra o tempo

Em comunicado divulgado pela agência estatal KCNA, o Ministério de Relações Exteriores da Coreia do Norte condenou duramente o novo exercício militar entre Washington e Seul.

"As manobras são de uma escala e de uma natureza sem precedentes nas simulações de combates e no número de ativos estratégicos americanos envolvidos, incluindo caças F-35 e F-22", afirmou a nota do governo norte-coreano.

"A equipe de Donald Trump está pedindo a gritos por uma guerra nuclear ao realizar uma arriscada aposta na península coreana", completou o comunicado de Pyongyang.

O assessor de Segurança Nacional da presidência americana, H.R. McMaster, disse que a possibilidade de uma guerra com a Coreia do Norte está aumentando. "Eu acho que [a possibilidade de guerra] está aumentando todos os dias, o que significa (...) que estamos numa corrida para resolver o problema", declarou McMaster numa conferência.

"Há maneiras de lidar com esse problema fora de um conflito armado, mas é uma corrida que se aproxima cada vez mais [do seu propósito], não resta muito tempo", sublinhou o assessor de Trump.


Postar um comentário